Coronavírus

Sindicado Independente dos Médicos acusa ARS do Alentejo de "prepotência e ilegalidade"

Christian Charisius

Em causa está a alocação de médicos para o lar Fundação Maria Inácio Vogado Perdigão Silva.

Especial Coronavírus

O Sindicato Independente dos Médicos acusa a Autoridade Regional de Saúde do Alentejo de "prepotência e ilegalidade" em Reguengos de Monsaraz, após a alocação de médicos para o lar Fundação Maria Inácio Vogado Perdigão Silva.

Ao contestar a decisão, o sindicato invoca as convenções coletivas de trabalho para considerar esta medida ilegal.

O SIM lembra que não foi imposta qualquer contingência que possa sobrepor-se à lei e por isso os médicos sindicalizados podem recusar esta alocação, e responsabiliza o lar e a ARS do Alentejo por não terem tomado "em devido tempo" as medidas preventivas e de despistagem da infeção entre utentes e funcionários do lar, que resultou no maior surto no Alentejo.

Até ao momento existem 140 casos de infeção e seis vítimas mortais no concelho.

Número de casos de Covid-19 em Reguengos de Monsaraz não para de aumentar