Coronavírus

EUA suspendem vistos a estudantes de instituições com aulas online

JOSÉ COELHO

Os estudantes que já estejam nos Estados Unidos "devem abandonar o país ou tomar outras medidas, como inscreverem-se em instituições com aulas presenciais, para manterem o seu estatuto legal".

Especial Coronavírus

Os Estados Unidos vão deixar de conceder vistos aos estudantes estrangeiros matriculados em instituições que continuarão as aulas apenas online no novo ano académico, por causa da pandemia da covid-19, anunciaram esta segunda-feira os serviços de migração norte-americanos.

Os estudantes que já estejam nos Estados Unidos "devem abandonar o país ou tomar outras medidas, como inscreverem-se em instituições com aulas presenciais, para manterem o seu estatuto legal", refere o Serviço de Imigração e Controlo de Fronteiras (ICE, na sigla em inglês), num comunicado hoje divulgado e citado pela Agência France Presse.

Quando as instituições de ensino optarem por um modelo "híbrido", devem certificar-se que os seus estudantes estrangeiros estão inscritos no máximo possível de aulas presenciais, de modo a manterem os vistos.

Estão em causa os vistos F1 e M1

Com esta decisão, estão em causa tanto os vistos F1 (para estudos universitários) como M1 (para formações profissionais).

As universidades norte-americanas, que têm em média 5,5% de estudantes estrangeiros e são bastante dependentes das propinas destes, encerraram em março e mudaram para o ensino online, numa tentativa de conter a propagação do novo coronavírus, que causa a doença covid-19.

Na ausência de uma vacina, algumas universidades, entre as quais a do Estado da Califórnia e a de Harvard, anunciaram que irão continuar com as aulas online, a 100%, no início do novo ano letivo.