Coronavírus

Portugal comprou mais de 600 mil máscaras sem garantia de qualidade

CARL RECINE

Material foi comprado por hospitais e autarquias.

Especial Coronavírus

Portugal comprou mais de 600 mil máscaras com garantias de qualidade duvidosas, avança o jornal Público esta terça-feira.

O material, utilizado por profissionais de saúde que estão na linha da frente e comprado por hospitais, Marinha, autarquias e Direção-Geral da Saúde, foi apreendido pela ASAE por não cumprir os requisitos de segurança.

O jornal escreve ainda que em causa estão certificados passados por empresas que não têm competência para avaliar estas máscaras.

Cientistas voltam a defender que coronavírus se transmite facilmente pelo ar

Um grupo de cientistas de vários países volta a defender que o novo coronavírus se transmite facilmente pelo ar.

Os 239 especialistas, que vão publicar o estudo numa revista científica na próxima semana, enviaram também uma carta à Organização Mundial de Saúde (OMS) onde afirmam que o vírus pode manter-se ativo em gotículas suspensas no ar em espaços fechados, com muitas pessoas e com pouca ventilação.

Os especialistas pedem à organização para rever as recomendações, não só do uso social de máscaras, que acreditam que possa a vir a ser necessário em locais fechados, mesmo com distanciamento social, como o uso de máscaras N95 pelos funcionários de saúde que tratam doentes Covid-19.