Coronavírus

Pandemia volta a abrandar em Itália

Flavio Lo Scalzo

Sete mortes e 188 novos casos nas últimas 24 horas.

Especial Coronavírus

A Itália registou sete mortes por covid-19 nas últimas 24 horas, dos números mais baixos registados desde o início da pandemia, e confirmou 188 novos casos, invertendo a tendência ascendente dos dias anteriores, informou este sábado o Ministério da Saúde.

O número total de pessoas infetadas desde que o primeiro caso foi detetado em Itália, em 21 de fevereiro, é de 242.827, e destas 34.945 morreram.

Aumento de casos e mortes abranda

As sete mortes hoje confirmadas constituem o segundo número mais baixo desde o primeiro dia de março (o outro foi seis óbitos, em 29 de junho).

Além disso, os novos casos de infeção pela doença também voltaram a cair, após terem iniciado na terça-feira passada uma tendência ascendente. Mas hoje foram poucos os testes de diagnóstico feitos, cerca de 45.000.

Em Itália, o número de pessoas com covid-19 continua a diminuir. Existem atualmente um total de 13.303 pacientes, a maioria isolados em casa com sintomas ligeiros ou sem sintomas.

Menos de mil pessoas estão a precisar de cuidados hospitalares. Um total de 826 estão internadas e apenas 67 requerem cuidados intensivos, mais dois do que na sexta-feira.

Lombardia, a região mais afetada

A região mais afetada do país continua a ser a Lombardia (norte), o foco da situação de emergência sanitária, que nas últimas 24 horas registou 67 novos casos. Desde sexta-feira, o governo regional tem permitido a abertura de discotecas ao ar livre.

A Itália, com o processo de combate à pandemia provocada pelo novo coronavírus praticamente concluído, continua a combater alguns surtos específicos que estão a surgir, mantendo-os sob controlo.

Na região de Lazio, com a capital em Roma, a comunidade bengali está a ser seguida com atenção, após numerosos casos confirmados de importação, sendo os voos para aquele país suspensos.

Suspensos voos com 12 territórios

Além disso, para impedir a importação do vírus, a Itália suspendeu os voos com outros 12 Estados considerados "em risco": Chile, Peru, Brasil, Panamá, República Dominicana, Arménia, Bahrain, Bangladesh, Bósnia-Herzegovina, Kuwait, Macedónia do Norte, Moldávia e Omã.

Para continuar a gerir a situação, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciou que está a considerar prolongar o estado de emergência, que deveria terminar em 31 de julho, até ao final do ano.

Uma decisão que alguns partidos da oposição, como a Liga de ultra direita, não concordam.