Coronavírus

4 M€ por ano para todos os funcionários públicos terem computador para teletrabalho

Estimativa do Governo.

Especial Coronavírus

O Governo estima que sejam necessários "cerca de quatro milhões de euros" anualmente para que todos os funcionários públicos tenham um computador portátil do serviço para trabalharem a partir de casa, disse hoje a ministra da Administração Pública.

"No teletrabalho [ao nível da administração pública] , estimamos em cerca de quatro milhões de euros ao ano o valor necessário para que toda a gente tenha um portátil do serviço para poder ir trabalhar para casa", disse Alexandra Leitão, em entrevista ao 'podcast' "Política com Palavra", do PS.

A ministra da Modernização do Estado e da Administração Pública afirmou que muitos trabalhadores "já têm [portáteis do serviço] , mas para que todos tenham" este é o valor que o Governo prevê ser necessário para a aquisição dos equipamentos.

A governante acrescentou que "há muita gente a querer" trabalhar em regime de teletrabalho, por "razões de conciliação pessoal" ou "por conforto".

Para Alexandra Leitão, a pandemia da doença provocada pelo novo coronavírus "trouxe uma grande noção do papel do Estado" e da "necessidade de o cidadão interagir mais facilmente" com este.

Ministra sublinha: "Não há trabalhadores a mais na Administração Pública"

Esta quarta-feira na Edição da Noite da SIC Notícias, A ministra da Modernização do Estado disse que não há funcionários a mais mas antes são necessários mais trabalhadores nos serviços do Estado.

"Mais e melhor" Estado

Ao podcast do PS, a responsável pela Administração Pública admitiu ainda que é necessário "mais e melhor" Estado.

"Sempre defendi que o Estado que existia não era demais, como sempre defendi que não há trabalhadores da administração pública a mais", vincou a governante.

A ministra reconheceu ainda que Portugal "vai viver uma situação difícil do ponto de vista económico" e isso "nunca é amigo de nenhuma reforma".

Contudo, retirar "rendimentos às pessoas não vai ser o caminho" para enfrentar esta crise, garantiu Alexandra Leitão.

"O caminho da valorização [dos funcionários da administração pública] é que pode ser um pouco mais lento do que tínhamos planeado", explicitou a ministra.

Alexandra Leitão assinalou ainda que "não haverá congelamentos, nem perdas de rendimento", mas as atualizações e os aumentos dos salários terão de ser ponderados "no quadro da discussão do próximo" Orçamento do Estado.

1.676 mortes e 47.426 casos de Covid-19 em Portugal

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de 1.676 mortes e 47.426 casos de Covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu de 1.668 para 1.676, mais 8 em relação a ontem, enquanto o número de infetados aumentou de 47.051 para 47.426, mais 375, um aumento de 0,8%.

Há 478 pessoas internadas, 68 estão nos cuidados intensivos.

O número de casos recuperados subiu de 31.550 para 32.110, mais 560.

Vírus já matou quase 580 mil pessoas e infetou mais de 13,4 milhões no mundo

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 579.938 pessoas e infetou mais de 13.407.780 em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan., segundo um balanço da agência AFP até às 19:00 TMG (20:00 de Lisboa) de quarta-feira.

Pelo menos 7.264.600 casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Países mais atingidos:

  • Estados Unidos, com 136.900 óbitos e 3.465.031 casos
  • Brasil com 74.133 mortes e 1.926.824 casos
  • Reino Unido 45.053 mortes (291.911 casos)
  • México, com 36.327 mortes (311.486 casos)
  • Itália, com 34.997 mortos (243.506 casos)..
  • China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) com 83.611 casos e 4.634 mortes

A Europa totalizava às 19:00 TMG de quarta-feira 203.793 mortes em 2.879.566 casos, a América Latina e Caribe 149.597 mortes (3.495.775 casos), Estados Unidos e Canadá 145.740 mortes (3.573.752 casos), a Ásia 45.518 mortes (1.860.260 casos), o Médio Oriente 21.364 mortes (957.272 casos), África 13.786 mortes (629.080 casos) e a Oceânia 140 mortes (12.077 casos).

Links úteis

Mapa com os casos a nível global