Coronavírus

Covid-19: Milhares pedem em Berlim fim das restrições

Fabrizio Bensch

Segundo dados do Instituto Robert Koch, foram registadas 955 novas infeções nas últimas 24 horas.

Especial Coronavírus

Christian Mang

Fabrizio Bensch

Fabrizio Bensch

Fabrizio Bensch

Fabrizio Bensch

Fabrizio Bensch

Milhares de manifestantes estão hoje nas ruas de Berlim em protesto contra as restrições impostas pela pandemia de covid-19 e apesar do aumento de novas infeções, tendo sido convocados por diversas organizações, incluindo de extrema-direita.

A marcha começou nas proximidades do emblemático Portão de Brandenburgo e dirige-se à Coluna da Vitória, estando agendada uma grande reunião para hoje à tarde com o objetivo de celebrar "o fim da pandemia".

Entre os manifestantes, que atingem as 7.000 pessoas, de acordo com a televisão pública regional RBB, contam-se pequenos comerciantes descontentes com as restrições à vida pública e grupos de pessoas que consideram as limitações como um ataque ao direito a ter liberdade de movimentos.

Na marcha são visíveis várias faixas que aludem a uma suposta "conspiração" orquestrada pela indústria farmacêutica e pelo bilionário norte-americano Bill Gates, 'slogans' anti vacinas e frases de extrema-direita exigindo o "fim de Angela Merkel".

O denominador comum dos vários movimentos presentes na manifestação é um apelo à resistência e à celebração do "Dia da Liberdade", uma frase que, segundo alguns organizadores, se refere ao título do filme sobre o congresso do partido nazi de 1935, dirigido por Leni Riefelstahl, o cineasta que preparava a propaganda de Adolf Hitler.

As autoridades de Berlim puseram nas ruas um forte dispositivo de segurança, já que, além desta mobilização, foram convocadas marchas de esquerda e são também esperadas festas "espontâneas", que acontecem na capital alemã há várias semanas, juntando, muitas vezes, milhares de participantes.

A manifestação pelo fim das restrições ligadas à pandemia de covid-19 acontece numa altura em que o Governo federal, da chanceler Angela Merkel, e os estados regionais demonstram grande preocupação com o aumento do número de novas infeções no país.

Segundo dados do Instituto Robert Koch, foram registadas 955 novas infeções nas últimas 24 horas, o que representa um aumento substancial em relação à média de 800/850 da semana passada e ainda mais em relação à média de 300/350 contabilizada em meados de junho.

No total, foram registadas 209.653 infeções e 9.148 mortes.
A Alemanha disponibiliza, a partir de hoje, testes gratuitos para viajantes que regressem de países estrangeiros, testes que serão obrigatórios a partir de segunda-feira para quem viaje com origem em zonas de risco, a fim de evitar as quarentenas.