Coronavírus

Tripulação de navio de cruzeiros norueguês tem 36 infetados com covid-19

Norsk Telegrambyra AS

O navio está ancorado no porto de Tromso, município localizado no norte da Noruega, a quase 1.150 quilómetros da capital Oslo, onde quatro elementos da tripulação estão hospitalizados.

Especial Coronavírus

Trinta e seis elementos da tripulação do navio de cruzeiros norueguês Roald Amundsen testaram positivo à covid-19, enquanto as autoridades tentam localizar outros passageiros que conviveram no navio desde meados de julho, informaram hoje as autoridades locais.

Norsk Telegrambyra AS

Norsk Telegrambyra AS

De acordo com fontes da companhia de navegação Hurtigruten, foram realizados exames de despistagem aos 158 presentes a bordo, resultando em 36 casos positivos, 33 de nacionalidade filipina, um francês e outro norueguês, todos assintomáticos.

O navio está ancorado no porto de Tromso, município localizado no norte da Noruega, a quase 1.150 quilómetros da capital Oslo, onde quatro elementos da tripulação estão hospitalizados desde sexta-feira, após terem manifestado sintomas durante a última semana, que não foram considerados "típicos" do novo coronavírus, explicou a empresa.

Assim que atracou em Tromso, proveniente do arquipélago de Svalbard, os funcionários do Roald Amundsen permaneceram em quarentena a bordo do navio, ao contrário dos viajantes, que foram aconselhados a cumprir quarentena.

As autoridades norueguesas tentam localizar outras pessoas envolvidas em viagens anteriores do Roald Amundsen, estimando-se que haja riscos de contágio em cerca de 380 elementos, entre membros da tripulação e passageiros, que participaram no cruzeiro entre 17 e 24 de julho.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 680 mil mortos e infetou mais de 17,6 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A Noruega, onde o surto está controlado desde abril, contabiliza 256 mortos em mais de nove mil casos da doença que é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.