Coronavírus

Galiza retira Portugal da lista de risco

SIC

Região espanhola obrigava viajantes vindos de Portugal a registarem entrada.

Especial Coronavírus

Portugal deixou hoje de fazer parte da lista de países e territórios cujos viajantes para a Galiza tinham de se registar, no âmbito da pandemia de covid-19.


A decisão foi hoje publicada oficialmente pela Xunta da Galiza (o governo desta comunidade autónoma) e confirmado à Lusa pelo ministro Augusto Santos Silva.

"A Galiza atualizou a sua lista de recomendações aos viajantes e excluiu Portugal dessa lista", afirmou Santos Silva, sublinhando tratar-se de "um bom exemplo".

Admitindo ter sido surpreendido, há cerca de 15 dias, com notícias sobre restrições à circulação dos portugueses na Galiza, Santos Silva explicou que o Governo pediu esclarecimentos às autoridades galegas, o que aconteceu numa reunião entre o presidente da Xunta da Galiza, Alberto Feijóo, e o embaixador português em Madrid, João Mira Gomes.

O encontro serviu para esclarecer que não havia restrições à circulação de pessoas oriundas de Portugal na Galiza, mas sim uma recomendação das autoridades de saúde galegas para que os viajantes se registassem, tornando um eventual contacto mais rápido e fácil.

Mas a reunião serviu também para alterar o processo de informação sobre os dados referentes à covid-19, adiantou o ministro.

"Combinámos com a Galiza um método: transmitirmos de imediato toda a informação sobre a situação epidemiológica portuguesa também regionalizada, portanto dando conta não apenas da evolução da situação nacional como das várias regiões do país", explicou.

Além disso, "acertámos uma reunião técnica das respetivas autoridades de saúde", onde foi passada a informação e "foi possível mostrar às autoridades galegas que o indicador que estavam a usar - que era sinalizar a necessidade ou conveniência do registo aos passageiros oriundos de territórios ou regiões que tivessem três vezes e meia mais casos nas últimas semanas do que a média galega -- não era preenchido pela generalidade das regiões portuguesas", avançou Santos Silva.

"Em resultado de tudo isto, na primeira revisão da lista, hoje publicada, Portugal é retirado dessa lista de recomendações", sublinhou o ministro, referindo que colocar as autoridades sanitárias, políticas e institucionais a dialogar "é um bom método".

"As autoridades trocam toda a informação técnica e científica com o cuidado e a profundidade analítica que só elas podem ter e os países ou regiões vão atualizando as suas recomendações em função dos factos e da evolução dos factos" e "não de outros critérios", disse.

A decisão hoje anunciada pela Galiza junta-se, como realçou Santos Silva, "ao conjunto de revisões de recomendações ou restrições impostas por diferentes Estados europeus", que têm reconhecido "a evolução positiva de Portugal" no número de infeções e vítimas do novo coronavírus.

"No fim da semana passada foi a Dinamarca, antes tinha sido a Grécia, a República Checa, a Roménia, Malta, entretanto a Eslovénia também alterou parcialmente as suas restrições, o mesmo se tinha acontecido com a Bélgica e os Países Baixos, para além da Hungria", exemplificou.

Segundo o Diário Oficial da Galiza, a revisão só retirou Portugal da lista, mantendo a imposição de registo para os viajantes das comunidades de Aragão, Catalunha, Navarra e País Basco e passando ainda a incluir também os de Madrid.

Portugal com 1.740 mortes e 51.848 casos de Covid-19

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quarta-feira a existência de 1.740 mortes e 51.848 casos de Covid-19 em Portugal, desde o início da pandemia.

O número de óbitos subiu de 1.739 para 1.740, mais 1 do que ontem. Já o número de infetados aumentou de 51.681 para 51.848, mais 167 doentes.

Há 384 doentes internados, 41 encontram-se em Unidades de Cuidados Intensivos.

O número de casos recuperados subiu de 37.318 para 37.565, mais 247.

Covid-19 já matou mais de 701 mil pessoas e infetou mais de 18,5 milhões

A pandemia de covid-19 já matou pelo menos 701.112 pessoas e infetou 18.572.720 em todo o mundo desde que o vírus foi detetado na China, em dezembro, refere o último balanço feito pela Agência France-Presse (AFP) com base em dados oficiais.

Pelo menos 10.917.200 doentes já foram considerados curados.

Países mais atingidos

  • Estados Unidos com 156.830 mortes e 4.771.846 casos
  • Brasil, com 95.819 mortos e 2.801.921 casos
  • México, com 48.869 mortos e 449.961 casos de infeção
  • Reino Unido, com 46.299 mortos e 306.293 casos
  • Índia, com 39.795 óbitos e 1.908.254 casos de infeção
  • China (excluindo os territórios de Hong Kong e Macau) contabiliza oficialmente um total de 84.491 casos (27 novos nas últimas 24 horas), incluindo 4.634 mortes e 79.047 recuperados.

A Europa totalizava, às 12:00 de hoje, 211.603 mortes e 3.256.677 casos, enquanto a América Latina e as Caraíbas registavam 206.713 óbitos (5.120.531 casos).

Os Estados Unidos e o Canadá contabilizavam 165.818 mortes (4.889.179 casos) e na Ásia somavam-se 66.979 óbitos (3.113.070 casos).

O Médio Oriente contabilizava 28.637 mortes (1.192.975 casos), África 21.083 óbitos (979.057 casos) e Oceânia 279 mortes (21.239 casos).

Esta avaliação foi realizada usando dados recolhidos pela AFP junto das autoridades nacionais de saúde e com informações da Organização Mundial da Saúde.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global