Coronavírus

Governo francês impõe novas restrições em Paris

Charles Platiau

Controlo policial será intensificado na capital.

Especial Coronavírus

As concentrações com mais de 10 pessoas estão proibidas em Paris se os comportamentos de proteção à propagação da Covid-19 não estiverem a ser cumpridos, anunciou hoje a polícia francesa.

O uso obrigatório de máscara, já em vigor em vários locais da capital, será também estendido a partir das 8:00 de sábado (7:00 em Lisboa) a parte dos Campos Elísios e do bairro do Louvre, explicou a mesma fonte.

"Se a situação epidemiológica se agravar novamente, o uso de máscara poderá tornar-se obrigatório em toda a capital", acrescentou a polícia de Paris, citada pela agência AFP.

"A taxa de positividade é hoje de 4,14% em Paris, 3,6% em Ilha de França (região parisiense) face aos 2,4% da média nacional", acrescentou.

Estabelecimentos podem ser encerrados em caso de incumprimento das regras

As pessoas entre os 15 e os 45 anos são as mais afetadas, apesar das outras faixas etárias também estarem a ser atingidas.

Nos locais onde a máscara não é obrigatória, é recomendado o seu uso quando houver uma grande concentração de pessoas. Além disso, a fiscalização para garantir o cumprimento dos gestos barreira serão reforçados nos bares, restaurantes e esplanadas.

Em caso de incumprimento destas regras, os estabelecimentos podem ser encerrados.

O controlo sobre o uso de máscaras em transportes públicos também irá ser intensificado.

O primeiro-ministro francês, Jean Castex, teme a necessidade de um regresso a um sistema de saúde "sob pressão" e pediu na terça-feira aos franceses cuidados para evitar o regresso da pandemia.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 754 mil mortos e infetou quase 21 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Veja também:

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado