Coronavírus

Covid-19. Vacina da AstraZeneca entra na última fase de testes nos Estados Unidos

Brendan McDermid

Estão a ser recrutados 30 mil adultos.

Especial Coronavírus

A farmacêutica britânica AstraZeneca informou na segunda-feira que iniciou nos Estados Unidos a fase 3 dos testes à vacina contra a Covid-19, a última fase antes de receber a aprovação das autoridades regulatórias.

Para isso, a empresa está a recrutar cerca de 30 mil adultos com idade igual ou superior a 18 anos, de grupos étnicos e geográficos diferentes, saudáveis ou com condições médicas preexistentes, mas controladas, incluindo por exemplo doentes com VIH, mais vulneráveis ao SARS-CoV-2.

Segundo a CNN, os participantes irão receber duas doses, que podem ser ativas ou apenas placebo, com um intervalo de quatro semanas.

Atualmente, a vacina da AstraZeneca já se encontra na fase 3 dos testes também no Reino Unido, Brasil e África do Sul e há planos para que avançe também no Japão e na Rússia. Os testes nos Estados Unidos são financiados por duas agências governamentais que pertencem ao Instituto Nacional de Saúde (NIH).

“O NIH está empenhado em financiar vários testes clínicos para aumentar as probabilidades de uma dessas vacinas ser mais eficaz contra a Covid-19 (…). Também sabemos que podem ser necessárias várias vacinas para combater esta doença e estamos a investir nas que acreditamos ter mais potencial”, explicou o diretor Francis Collins.

Poderá a AZD1222 ser a vacina certa?

A vacina da farmacêutica britânica criada pela Universidade de Oxford, a AZD1222, combina uma versão mais fraca de um vírus comum que provoca constipações com uma proteína viral presente no coronavírus, com o objetivo de induzir uma resposta imunitária.

AS VACINAS MAIS PROMISSORAS NO COMBATE À COVID-19

Laboratórios por todo o mundo estão numa corrida contra o tempo para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus. Há dezenas de equipas a testar várias candidatas a vacina, algumas estão mais avançadas e são promissoras, mas os cientistas avisam que nenhuma deverá estar pronta antes do fim deste ano.

Segundo o London School of Hygiene & Tropical Medicine, (que tem um gráfico que mostra o progresso das experiências) há 231 projetos e 5 estão na fase de ensaios clínicos - que consiste na inoculação da vacina em milhares de voluntários a fim de determinar se impede de facto a infeção.

Os resultados mais encorajadores vêm da Pfizer e da BioNTech, da Moderna, do projeto entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca e de vários projetos chineses, nomeadamente da CanSinoBIO que já obteve autorização para administrar a vacina em militares chineses.