Coronavírus

OMS revela que pandemia acentuou comportamentos de risco de doentes crónicos

Nacho Doce

Tal poderá sobrecarregar os serviços de saúde.

Especial Coronavírus

A pandemia de covid-19 acentuou os comportamentos de risco de doentes crónicos e, a longo prazo, tal poderá sobrecarregar os serviços de saúde dos países, revela um relatório da Organização Mundial de Saúde (OMS) divulgado esta sexta-feira.

Segundo o relatório da OMS, o segundo sobre a evolução das doenças não transmissíveis, a pandemia e as medidas adotadas pelos países para a conter, em particular o confinamento, aumentaram certos comportamentos de risco, como a falta de atividade física, as dietas pouco saudáveis e o consumo abusivo de álcool.

A avaliação feita pela OMS, citada hoje pela agência noticiosa Efe, refere que a obesidade, o consumo de tabaco e de álcool aumentam a possibilidade das manifestações mais graves da covid-19, uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus).

São exemplos de doenças não transmissíveis (ou não infecciosas) as doenças crónicas como diabetes, cancro, doenças cardiovasculares e renais, hipertensão e asma.

De acordo com estudos anteriores, os diabéticos apresentam três vezes mais probabilidades de terem sintomas severos ou morrerem por covid-19.

No caso dos doentes hipertensos, o risco é 2,3 vezes maior, enquanto nos doentes cardiovasculares é 2,9. As pessoas que sofreram um acidente vascular cerebral possuem 3,9 vezes mais possibilidades de terem manifestações mais graves da covid-19 ou morrerem.

Para a OMS, "é provável que a pressão sobre os serviços de saúde aumente a longo prazo" devido "ao possível aumento de complicações cardiovasculares e respiratórias" decorrentes da covid-19.

  • Medo, solidão e falta de afetos: como a pandemia lhes mudou a vida

    Coronavírus

    No Dia Internacional do Idoso, contamos a história de duas pessoas que têm em comum a solidão. A de Zulmira Marques, de 92 anos. Há 6 meses era alegre e passeava com as amigas quase todos os dias. Depois veio a pandemia e ficou “completamente sozinha” durante três meses. Agora não quer sair de casa. Tem vários medos. A outra é a de Maria do Céu. Morreu em junho, aos 87 anos. Os últimos dias de vida foram passados numa cama de hospital. Não pôde despedir-se das duas filhas.

    Rita Rogado