Coronavírus

Convívios familiares no concelho de Cantanhede resultam em 17 casos de covid-19

Denis Balibouse

Surto em Cantanhede começou há 14 dias.

Especial Coronavírus

Um surto de covid-19, ativo em três freguesias do concelho de Cantanhede, Coimbra, originou até ao momento 17 infetados e teve origem em convívios familiares e sociais, revelou esta segunda-feira a Administração Regional de Saúde do Centro (ARSC).

Em nota de imprensa enviada à agência Lusa, a ARSC explica que o surto do novo coronavírus em Cantanhede iniciou-se há 14 dias, em 25 de agosto, e, "neste momento, é constituído por dois 'clusters' [grupos]", estando em isolamento profilático 62 "contactos de risco" dos 17 infetados.

"Geograficamente, expande-se pela União de Freguesias de Portunhos e Outil, freguesia de Ançã e União das Freguesias de Cantanhede e Pocariça. O início e os contextos de ambos os clusters inserem-se, fundamentalmente, em convívios familiares e sociais", adianta a entidade regional de saúde.

O comunicado diz ainda que tendo sido identificada uma "relação profissional" com a Fundação Ferreira Freire (localizada na freguesia de Portunhos e que possui um lar de idosos com mais de uma centena de utentes) "optou-se por considerar como possíveis contactos os utentes e profissionais desta instituição", tendo sido identificados 189 pessoas, todas testadas a uma possível infeção por covid-19.

Embora não divulgando quantos casos positivos foram identificados na instituição de solidariedade social, a nota da ARSC acaba por admitir que existem, ao sustentar que "nenhum dos casos necessitou de acompanhamento hospitalar, podendo considerar-se a situação controlada, exigindo naturalmente atenção".

Ouvida pela Lusa, a presidente da autarquia de Cantanhede, Helena Teodósio, confirmou a situação "totalmente controlada" na instituição social, classificando-o como uma "prioridade natural" para os serviços da autarquia, dado a sua dimensão, já que congrega 120 utentes e 85 funcionários.

"As pessoas foram todas testadas com recurso a zaragatoas" disse a autarca, precisando que o número de casos, "todos assintomáticos", foi "inferior a três" e, por isso mesmo, não passíveis de serem especificados.

No entanto, Helena Teodósio contestou os números divulgados pela ARSC, assegurando que os mesmos reportam "não a três mas a seis freguesias" do concelho, alguns sem relação com convívios familiares "que não têm nada a ver com isto" e incluem dados de mais de uma dezena de pessoas, não residentes no município.

A autarca questionou ainda o porquê da divulgação dos números de Cantanhede pela autoridade regional de saúde, quando "não o fez noutras situações" no distrito de Coimbra desde o início da pandemia.

"Temos estado sempre a acompanhar as situações que vão surgindo, a transportar testes ou a fornecer materiais, quer com os profissionais de enfermagem da ARS, quer com a delegada de saúde, que sempre que havia alterações mandava a lista [dos novos casos]. Desta vez [no surto iniciado em 25 de agosto] nem a Proteção Civil [municipal] nem a GNR tinham dados de nada e, quando ouvimos falar de que havia novos casos e surgiu esta situação, pedimos a lista de positivos e pessoas em quarentena, que só chegou hoje de manhã", afirmou Helena Teodósio.

O problema, segundo a presidente da Câmara Municipal, é que de acordo com as regras, "a informação da lista é sigilosa".

"Mas, se afinal os dados podem ser divulgados, já não sei o que é sigiloso. E esta informação [da ARSC] não bate certo com os dados da lista, há contactos em isolamento que são da Mealhada ou de Coimbra e aparecem como sendo de Cantanhede", argumentou a autarca.

Por outro lado, Helena Teodósio questionou porque é que os dados divulgados "englobam tudo", dizendo estranhar que "pela primeira vez, seja dito que tem a ver com convívios familiares e sociais, quando se sabe, pelo que está na lista, que alguns não têm".

"Mais estranho é esta informação ser divulgada na mesma altura em que dois partidos políticos, o PS e o Chega, vieram falar de festas privadas. Se o fizeram, é porque tinham alguma fonte que lhes deu essa informação. Alguma coisa neste processo está a parecer mal, não há transparência nem houve respeito institucional para com o município de Cantanhede", lamentou Helena Teodósio.

Veja também: