Coronavírus

António Costa define linhas vermelhas da covid-19

ANTÓNIO COTRIM

O primeiro-ministro insiste que o país não pode voltar a parar.

Saiba mais...

O primeiro-ministro, António Costa, considerou hoje que a linha vermelha em relação à pandemia é o comportamento das pessoas em todos os momentos, uma vez que "cada um" é que controla a evolução da doença.

Na conferência de imprensa que decorreu hoje após o Conselho de Ministros e na qual António Costa anunciou as medidas que vão entrar em vigor em Portugal Continental na terça-feira, aquando da passagem para situação de contingência, o primeiro-ministro foi questionado sobre quais são as linhas vermelhas do Governo para vir a endurecer as restrições.

"A primeira linha vermelha tem a ver com a evolução dos óbitos. Não há bem maior do que a vida e esse é essencial", começou por responder.

A capacidade de resposta em matéria de cuidados intensivos e as necessidades de internamento no sistema hospitalar são outros dois indicadores elencados pelo primeiro-ministro.

"A linha vermelha é o comportamento que todos nós temos que ter a cada um dos momentos porque é cada um de nós que controla e controlará a evolução da pandemia", sintetizou.

Para António Costa, Portugal não pode chegar a situações onde tenha que voltar a encerras as escolas uma vez que "os custos de aprendizagem para as crianças e para os jovens foram muito elevados" e "grande parte deste ano letivo vai ter que ser feito um esforço acrescido para recuperação de aprendizagens".

"Temos uma linha vermelha que é: não podemos voltar a fechar a economia como fechamos em março e em abril", reiterou.

O primeiro-ministro afirmou hoje que o reforço das medidas preventivas contra a covid-19, com o território continental em situação de contingência a partir de terça-feira, visa evitar um aumento exponencial de contágios com a gradual retoma da atividade.

Situação de contingência em todo o país: quais as medidas?

O Conselho de Ministros esteve hoje reunido para decidir as medidas a implementar a partir de 15 de setembro, quando o país entra em situação de contingência devido à pandemia da Covid-19.