Coronavírus

Agência dos EUA reconhece erro ao dizer que o coronavírus se transmite por via aérea

Ainda está por comprovar esta forma de transmissão.

Especial Coronavírus

O Centro de Controlo e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos corrigiu a informação que tinha avançado de que o coronavírus se transmite por via aérea. Diz ter cometido um erro e que essa conclusão carece de provas científicas.

O que aconteceu?

A atualização das diretrizes do CDC sobre a covid-19 chegava na sexta-feira e dava conta de que a transmissão aérea era a principal forma de propagação do vírus, reforçando a ideia de que as partículas poderiam ser inaladas para o nariz, boca, vias respiratórias e pulmões e causar infeção.

A nova indicação obrigou, desde logo, a repensar algumas questões, nomeadamente as condições em que se ventilam espaços interiores e a obrigatoriedade do uso de máscara.

Apenas três dias depois, o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças diz ter cometido um erro.

O que mudou?

O CDC adianta que a informação divulgada carece de provas científicas. O vice-diretor admite mesmo ter havido uma falha e garante estarem já a rever todo o processo.

Desde o início da pandemia que os especialistas têm vindo a analisar a transmissão do vírus e a melhor forma para o travar.

Já em julho, a Organização Mundial da Saúde tinha publicado uma nova orientação na qual não rejeitava a possibilidade de o coronavírus poder transmitir-se pelo ar em espaços fechados ou pouco ventilados. No entanto, esta informação nunca foi comprovada.

Os cientistas continuam a investigar as possíveis formas de contágio.