Coronavírus

Covid-19. Estado australiano de Victoria levanta recolher obrigatório após quase dois meses

Sandra Sanders

Este estado, nas últimas 24 horas, registou apenas cinco novos casos de covid-19.

Especial Coronavírus

O recolher obrigatório em vigor há quase dois meses no estado de Victoria, a braços com o maior surto de covid-19 na Austrália, foi levantado esta segunda-feira, após o número de casos ter caído drasticamente.

Nas últimas 24 horas, aquele estado australiano, cuja capital é Melbourne, registou apenas cinco novos casos de coronavírus, o valor mais baixo desde 12 de junho, além de três mortes, informaram as autoridades.

Victoria registou um novo surto da doença no final de junho, obrigando ao confinamento em 8 de julho e ao encerramento da fronteira com o estado vizinho de Nova Gales do Sul.

Na origem terão estado violações das regras de segurança nos hotéis designados para realizar a quarentena obrigatória de viajantes vindos do estrangeiro.

De acordo com a imprensa local, os seguranças terão deixado os viajantes sair dos quartos ou mesmo tido relações sexuais com pessoas em quarentena.

O executivo de Victoria saudou a redução do número de casos e garantiu o levantamento progressivo das restrições, caso esta tendência se confirme nos próximos dias.

A partir desta segunda-feira, os setores da construção e das indústrias transformadoras vão retomar as atividades, anunciou o Governo. As creches também reabriram e as cerimónias religiosas vão poder ser organizadas para um público reduzido.

Apesar do fim do recolher obrigatório noturno, em vigor desde o início de agosto, os residentes naquele estado australiano vão continuar sujeitos a medidas restritivas, com circulação limitada a um raio de cinco quilómetros para uma série de atividades claramente definidas, incluindo exercício físico e compras de bens alimentares.

As lojas não essenciais continuam fechadas e os restaurantes só podem servir comida de 'take-away', o que tem causado protestos no setor da restauração.

As autoridades também anunciaram que passam a ser permitidos encontros até ao limite de cinco pessoas provenientes de dois agregados familiares, no máximo.

Desde o início da pandemia, a Austrália registou 27 mil casos e 875 mortes, a esmagadora maioria com origem em Victoria.