Coronavírus

Testes rápidos à covid-19 “têm poucas aplicações”

Alerta o administrador do Grupo Germano de Sousa.

Especial Coronavírus

Em entrevista à SIC Notícias esta quarta-feira, o administrador do Grupo Germano de Sousa destacou as limitações dos testes rápidos, afirmando que estes só têm aplicação em pessoas sintomáticas, não podendo por isso ser utilizados em doentes que não tenham sintomas.

Uma preocupação que já tinha sido partilhada pelo Presidente do Colégio de Análises Clínicas da Ordem dos Farmacêuticos.

Rui Pinto lidera o organismo que está a analisar a eficácia dos testes a pedido do Instituto de saúde Ricardo Jorge e esclareceu quais são os critérios quer para falsos positivos, quer para falsos negativos.

Governo divulga em breve decisão sobre possível utilização dos testes rápidos

António Lacerda Sales, secretário de Estado Adjunto da Saúde, reconhece a importância dos testes rápidos em determinados contextos. Em entrevista na Edição da Noite da SIC Notícias, revelou que estão a decorrer reuniões entre a Direção Geral da Saúde, o Infarmed e a Cruz Vermelha, com vista a garantir a segurança na utilização destes testes.

Em causa está o facto de os resultados não apresentarem uma taxa de fiabilidade de 100%.

Veja também: