Coronavírus

Israel é o primeiro país ocidental a aprovar o segundo confinamento total

Correspondente SIC

Muitos acusam o primeiro-ministro de politizar a luta contra o coronavírus.

Especial Coronavírus

Em Maio, Israel foi um dos países com mais sucesso na luta contra a covid-19. Mas pouco depois, o primeiro-ministro acabou por recomendar à população que vivesse a vida e saísse para beber uma cerveja.

Pouco tempo depois, os números de infetados, internados e mortos dispararam, o que obriga agora o país a um segundo confinamento total.

O Governo decidiu fechar em casa mais de nove milhões de israelitas durante várias semanas, entre duas e quatro, preocupado com a crescente letalidade do vírus.

Esta situação coincide com o ano novo judaico e com o Dia do Perdão, comemorado na segunda-feira. A maioria das pessoas preferiram evitar as sinagogas e a pesar do calor fizeram os rezos tradicionais no exterior, ao longo de todo o dia.

Dezenas de milhares de manifestantes pedem a demissão imediata de Netanyahu, ainda antes do seu julgamento por corrupção, que vai recomeçar em janeiro. O primeiro ministro tenta conseguir no Parlamento a suspensão temporária das manifestações, que segundo ele são uma ameaça para a saúde pública.