Coronavírus

Cientistas descobrem o tempo de vida do novo coronavírus

Vírus gosta mais de superfícies suaves do que das mais complexas, como o algodão, e morre exposto à luz solar por causa dos raios ultravioletas.

Especial Coronavírus

O estudo da Agência Australiana de Ciência descobriu que o vírus sobrevive quase um mês numa superfície vidrada, nas notas do banco, ou no aço incoxidável, mas em laboratório sem luz e com humidade controlada.

A experiência também mostrou que o vírus gosta mais de superfícies suaves do que das mais complexas, como o algodão, que morre exposto à luz solar por causa dos raios ultravioletas e que não gosta da subida da temperatura.

São certezas da ciência, num mundo que, em parte, precisa de fé. As igrejas do Iraque reabriram e população de Myanmar acredita na proteção divina no combate à pandemia.

VEJA TAMBÉM: