Coronavírus

Com quebras acima dos 90%, pequenos comerciantes receiam novas restrições

Rafael Homem

Rafael Homem

Repórter de Imagem

Pedro Santos

Pedro Santos

Editor de Imagem

Na zona de Lisboa, alguns restaurantes optaram por não abrir devido à falta de clientes.

Especial Coronavírus

Depois de uma pequena recuperação nos meses de verão, com o aumento no número de novos casos de covid-19, aumentaram também as quebras no pequenos comércio e restauração.

E com as medidas anunciadas no sábado pelo primeiro-ministro, António Costa, o cenário pode vir a ser ainda pior, tendo já alguns restaurantes optado por não abrir na zona de Lisboa, que sofre com a perda de clientes portugueses e sobretudo de turistas.

Os pequenos empresários entendem as novas medidas para os 121 concelhos mas pedem também apoios para garantir o emprego e sobrevivência de muitos negócios.

AS NOVAS MEDIDAS DE COMBATE À PANDEMIA PARA OS CONCELHOS DE MAIOR RISCO

O primeiro-ministro informou no sábado que o Governo vai impor novas regras de combate à pandemia para os concelhos de maior risco.

As novas medidas serão aplicadas aos concelhos que tenham acumulado 240 casos de covid-19 por cada 100.000 habitantes nos 14 dias anteriores. Os concelhos de maior risco serão identificados a cada 15 dias e são sujeitos a medidas especiais que entram em vigor a partir de dia 4 de novembro.

  • Dever de recolhimento domiciliário (exceto para ir trabalhar, ir à escola, fazer compras ou exercício físico);
  • Desfasamento de horários de trabalho obrigatório;
  • Encerramento de estabelecimentos comerciais a partir das 22h00;
  • Restaurantes com grupos limitados a 6 pessoas e funcionamento até às 22h30;
  • Eventos e celebrações limitados a 5 pessoas (salvo se do mesmo agregado familiar);
  • Proibidas feiras e mercados de levante;
  • Teletrabalho obrigatório, salvo impedimento do trabalhador.

Consulte a lista dos concelhos abrangidos aqui.

  • 1:41