Coronavírus

Covid-19. Circulação limitada é "mais um prego no caixão" do setor espetáculos

EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural

Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, Audiovisual e Músicos (Cena-STE) fala em incapacidade de trabalhar.

Especial Coronavírus

A limitação de circulação ao fim de semana é "mais um prego no caixão" do setor da cultura, que já está "numa situação dramática", afirmou este domingo dirigente do Sindicato dos Trabalhadores de Espetáculos, Audiovisual e Músicos (Cena-STE).

A limitação da circulação nos próximos dois fins de semana, entre as 13:00 e as 05:00, e o recolher obrigatório entre as 23:00 e as 05:00 durante a semana, nos 121 concelhos com maior risco de contágio, é "uma desgraça para o setor", afirmou à agência Lusa o sindicalista Rui Galveias.

"Olhamos para tudo isto com muita preocupação. Entendemos a necessidade de cuidar das pessoas, entendemos que os números são dramáticos, mas não conseguimos compreender estados de emergência, quando as pessoas têm aderido às regras", salientou.

De acordo com o dirigente sindical, as mais recentes medidas do Governo "fazem com que os espetáculos deixem de fazer sentido", estando o setor perante "uma incapacidade absoluta para trabalhar e para chegar às pessoas".

Segundo Rui Galveias, o setor da cultura será altamente penalizado pela medida, apesar de ser um universo onde não têm sido reportados surtos ou focos de contágio.

"Isto resume a vida das pessoas ao caminho do trabalho. Garante-se trabalho, garante-se economia, mas não se garante a dignidade e a saúde mental das pessoas. Não é esta a sociedade que queremos", vincou, salientando que os contágios têm surgido acima de tudo "em zonas de grande indústria".

Para Rui Galveias, "o critério [do Governo] não é pôr em primeiro lugar as pessoas, mas sim outras coisas", sendo que "a cultura é uma vítima destas escolhas".

"Desde que a pandemia se instalou, que as reivindicações que fazemos têm cada ve mais peso e fazem cada vez mais sentido, mas as respostas do Governo ou não existem ou são migalhas para um setor precário e que está numa situação dramática", frisou.

Segundo anunciou o primeiro-ministro, António Costa, no final de um Conselho de Ministros extraordinário para tomar medidas no âmbito do estado de emergência decretado devido à pandemia de covid-19, "haverá liberdade de circulação nas manhãs de sábado e de domingo".

A "limitação da liberdade de circulação" vigorará entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo e as 13:00 de domingo e as 05:00 de segunda-feira nos fins de semana de 14 e 15 de novembro e de 21 e 22 de novembro.

CONHEÇA AQUI AS NOVAS MEDIDAS DO ESTADO DE EMERGÊNCIA

O Governo decretou também o recolher obrigatório entre as 23:00 e as 05:00 nos dias de semana, a partir de segunda-feira e até 23 de novembro, nos 121 municípios mais afetados pela pandemia.

Estas medidas abrangem os 121 concelhos de Portugal continental onde há "risco elevado de transmissão da covid-19", abrangendo 70% da população residente, ou seja, 7,1 milhões de habitantes em Portugal, incluindo todos os concelhos das Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto.