Coronavírus

Covid-19. Nova Iorque volta a impor fecho de restaurantes e bares às 22h

John Minchillo

Impedidas também festas privadas com mais de 10 pessoas.

Especial Coronavírus

O governador de Nova Iorque, Andrew Cuomo, anunciou esta quarta-feira um reforço nas medidas de restrição para travar a propagação da covid-19 no estado e ordenou o encerramento dos restaurantes, bares e ginásios às 22:00 locais.

Cuomo, salientando que as novas restrições entram em vigor sexta-feira, adiantou também que serão impedidas festas privadas com mais de 10 pessoas e que as medidas são necessárias porque uma boa parte dos contágios pelo novo coronavírus ocorre a partir daqueles setores de atividade.

Apenas os serviços de 'take away' serão permitidos após aquele horário no estado que foi o epicentro da pandemia durante a primeira vaga de covid-19.

A decisão de Cuomo surge numa altura em que a taxa de infeção de covid-19 continua a subir em Nova Iorque, onde, terça-feira, foram hospitalizados 1.628 infetados e 21 pessoas morreram.

"Estamos a assistir ao que já se previa durante meses: um aumento nacional e global e Nova Iorque é apenas um só barco neste mar de pandemia", sublinhou Cuomo, assinalando que as medidas procuram a "simetria" com as aprovadas pelas autoridades de Nova Jérsia e Connecticut, estados limítrofes, para evitar que as pessoas frequentem os espaços.

Andrew Cuomo adiantou que a taxa de resultados positivos nos testes de diagnóstico subiu para os 2,9%, num total de 164 mil realizados nas últimas 24 horas, e que há 1.628 pessoas hospitalizadas em todo o estado, o número mais alto desde meados de junho, com mais de 300 em unidades de cuidados intensivos.

Na vizinha Nova Jérsia, a taxa de casos positivos situa-se em torno dos 5%, com as autoridades a proibirem os restaurantes de servir no interior a partir das 22:00 locais.

Em Newark, núcleo urbano próximo de um dos aeroportos que servem Nova Iorque, foi decretado o recolher obrigatório.

Sobre as medidas, o 'mayor' de Nova Iorque, Bill de Blasio, advertiu que esta é a "última oportunidade para travar uma segunda vaga" da pandemia no estado e pediu para que se aja agora após um aumento da taxa de casos positivos para 2,52%.

Veja também:

  • 1:44