Coronavírus

Mulheres e trabalhadores com salários baixos são os que mais sofrem impacto da pandemia

Sem contar com os apoios governamentais, quebra nos salários em Portugal é de 13,5%.

Entre o primeiro e o segundo trimestre de 2020, os salários praticados em Portugal recuaram 13,5% por causa da pandemia. Foram parcialmente compensados pelas medidas de apoio do governo, que permitiram que a redução no valor a receber no final do mês não fosse tão significativa. Sem contar com essa ajuda, a quebra média na União Europeia seria de 6,5%.

As estimativas divulgadas esta quarta-feira pela Organização Internacional do Comércio mostram ainda que os trabalhadores com salários mais baixos são os que sentem mais o impacto da pandemia e que a diferença salarial entre homens e mulheres agravou-se. Enquanto a quebra salarial, no caso das mulheres, é de 8,1%, no caso dos homens é 5,4%.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão