Coronavírus

Autoridades britânicas consideram "provável" o recuo da pandemia na primavera

Alberto Pezzali

Mas alertaram para a possibilidade de um novo pico após o Natal.

Saiba mais...

As autoridades de saúde britânicas consideraram esta sexta-feira "provável" um recuo da pandemia de covid-19 "na primavera" graças à vacinação, mas alertaram para a possibilidade de um novo pico após o Natal.

"Os efeitos da vacinação vão provavelmente começar a ser sentidos na primavera, através de uma redução significativa no número de internamentos, visitas ao hospital e mortes relacionados com a covid-19, mas faltam ainda muitas semanas até chegar a esse ponto", escreveram os diretores médicos de Inglaterra, País de Gales, Escócia e Irlanda do Norte numa carta conjunta aos prestadores de cuidados. "As interações durante o Natal podem vir a colocar pressão adicional sobre os hospitais e os centros de saúde no Ano Novo e temos de nos preparar para isso", alertaram.

No Reino Unido as reuniões familiares vão ser permitidas durante cinco dias, entre 23 e 27 de dezembro, limitadas a um máximo de três agregados familiares.

Luz verde à da Pfizer e BioNTech

O país europeu mais atingido pela pandemia, com mais de 60 mil mortos, tornou-se esta semana no primeiro ocidental a aprovar uma vacina contra a covid-19, dando 'luz verde' à da Pfizer e BioNTech, cujas primeiras doses devem ser administradas na próxima semana.

Os residentes e funcionários dos lares de terceira idade serão os primeiros a receber a vacina, numa operação que se prevê complicada pelos desafios logísticos relacionados com a necessidade de manter as vacinas a temperaturas muito reduzidas.

As autoridades contam com a vacina da AstraZeneca e Universidade de Oxford, mais fácil de conservar e transportar, para vacinar de forma mais ampla.

Ao todo, o Governo britânico assegurou o acesso a mais de 350 milhões de doses até ao final do ano que vem, junto de sete fabricantes durante a fase de testes.

As autoridades de saúde pretendem vacinar nove grupos prioritários definidos, que incluem pessoas com mais de 50 anos, trabalhadores da área da saúde e pessoas em risco, que correspondem a 99% das vítimas mortais.

Até lá, estão a exigir o cumprimento das restrições locais que continuam a ser aplicadas a uma grande parte da população do Reino Unido.

  • "Quando estou com os avós sinto-me feliz"

    Desafios da Mente

    As investigações apontam que as crianças que têm avós envolvidos na prestação de cuidados podem ter melhores índices de saúde mental, como uma redução do risco de sintomas depressivos e de comportamentos desviantes, bem como melhor desenvolvimento cognitivo. Em Portugal, o Dia dos Avós celebra-se a 26 de julho. A data foi instituída pela Assembleia da República, em 2003.

    Mauro Paulino