Coronavírus

Covid-19. Suécia prolonga limite de oito pessoas em eventos públicos até janeiro

TT News Agency

Esta deverá ser a norma também nas festas de Natal privadas.

O Governo sueco anunciou esta terça-feira que o limite de oito pessoas fixado para os eventos públicos vai prolongar-se até janeiro e que esta deve ser a norma também nas festas de Natal privadas.

"Este ano o Natal não pode ser como sempre. Lembre-se que oito pessoas é a nova norma para todas as situações sociais e isso também se aplica à véspera de Natal e ao Ano Novo", disse o primeiro-ministro social-democrata Stefan Lofven.

Lofven recomendou evitar novos contactos e reuniões com "poucas pessoas e o menos possível", durante períodos curtos, mantendo a distância e de preferência ao ar livre, além de evitar viagens de comboio e autocarro.

"A situação continua grave no nosso país. O risco de aumento do contágio nos finais de semana é grande", alertou o diretor da Agência de Saúde Pública (FHM), Johan Carlson.

O limite de oito pessoas em eventos públicos foi uma das medidas anunciadas no mês passado por Lofven, juntamente com a proibição da venda de bebidas alcoólicas a partir das 22:00 e o encerramento de bares, restaurantes e discotecas às 22:30.

Essas restrições, que foram seguidas esta semana pelo encerramento temporário dos estabelecimentos de ensino, mostram uma reviravolta na estratégia sueca, até então baseada em muitas recomendações e algumas proibições, apelando à responsabilidade.

A elevada mortalidade registada na Suécia, que não recomenda o uso de máscaras, em comparação com o resto dos vizinhos nórdicos, tem gerado críticas às autoridades, embora mais fora do que dentro deste país escandinavo.

A Suécia registou 297.732 infeções e 7.200 mortes desde o início da pandemia, com uma incidência de 696 casos por 100.000 habitantes nos últimos 14 dias, informou hoje a FHM.

"Parece que nos aproximamos de uma espécie de planície", disse Karin Tegmark Wisell, chefe de departamento da FHM, que manteve o cenário anunciado há duas semanas de que a curva de contágio atingirá o pico em meados deste mês.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão