Coronavírus

Rússia ultrapassa barreira dos 2,5 milhões de infetados, com redução de casos diários

Maxim Shemetov / Reuters

Quase 2.000 menos do que na segunda-feira.

A Rússia ultrapassou a barreira dos 2,5 milhões de infetados com o novo coronavírus desde o início da pandemia, registando hoje 26.097 novos casos, quase 2.000 menos do que na segunda-feira, informaram as autoridades de saúde.

De acordo com dados oficiais, 452 pessoas morreram devido à covid-19 nas últimas 24 horas, elevando o número de óbitos para 44.159, desde o início da pandemia.

Moscovo, o principal foco infeccioso do país e onde se iniciou no sábado a campanha de vacinação de grupos de risco contra a covid-19, também registou uma ligeira queda nas infeções diárias, com 5.532 casos, contra os 7.279 registados no dia anterior.

A capital russa registou ainda 71 mortes devido à covid-19 nas últimas 24 horas, menos cinco do que na segunda-feira.

Ao mesmo tempo, a situação com o novo coronavírus continua a ser especialmente grave na segunda cidade russa, São Petersburgo, onde foram contabilizados 3.734 casos e 86 mortes nas últimas 24 horas.

O governador de São Petersburgo, Alexandr Beglov, exortou os cidadãos a cumprir todas as normas e restrições sanitárias porque a região estava a aproximar-se de uma "linha vermelha" e confinamento geral.

"Até ao Ano Novo ainda há vagas para internar os doentes graves com covid-19, mas então teremos alcançado a linha vermelha", alertou.

Ao mesmo tempo, mais de uma centena de bares e restaurantes em São Petersburgo criaram um "Mapa de Resistência" virtual e recusam-se a fechar durante as férias de Natal, temendo a falência devido ao impacto de medidas anticovid.

De acordo com uma pesquisa divulgada na segunda-feira, 52% dos russos não apoiam o aumento das restrições anticovid, em comparação com 24% que consideram necessário implementar novas restrições para conter a pandemia.

A Rússia, com 2.515.009 milhões de infeções confirmadas, é o quarto país do mundo depois dos Estados Unidos, Índia e Brasil.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão