Coronavírus

IL pede audição urgente de Marta Temido sobre plano de vacinação da covid-19

ANTÓNIO PEDRO SANTOS

Para esclarecer as dúvidas sobre este plano.

Saiba mais...

A Iniciativa Liberal requereu esta quinta-feira uma audição parlamentar urgente da ministra da Saúde, do coordenador do grupo de trabalho que elaborou o plano de vacinação contra a covid-19, bem como as empresas farmacêuticas envolvidas, para esclarecer as dúvidas sobre este plano.

Num requerimento a que a agência Lusa teve acesso, o deputado único da Iniciativa Liberal, João Cotrim Figueiredo, afirmou que o plano de vacinação contra a covid-19, apresentado pelo Governo há uma semana, "é público, é genérico e suscita bastantes questões, especialmente relativamente à sua operacionalização".

"Assegurar a transparência do plano"

"É fundamental assegurar a transparência do plano de vacinação contra a covid-19, de modo a que os portugueses compreendam o seu objetivo e a sua operacionalização e se sintam, consequentemente, seguros", defendeu.

Por isso, os liberais consideram que a ministra da Saúde, Marta Temido, e o coordenador do grupo de trabalho que elaborou este plano, Francisco Ramos, devem esclarecer no parlamento "as dúvidas que subsistem".

"As empresas farmacêuticas que desenvolveram vacinas cuja previsão de conclusão de avaliação já foi anunciada pela Agência Europeia de Medicamentos - segundo o plano de vacinação, a BioNTech/Pfizer e a Moderna - devem prestar esclarecimentos sobre as vacinas desenvolvidas, de forma a que seja assegurada a confiança dos portugueses nestas vacinas", argumentam.

O pedido para estas audições na comissão parlamentar de Saúde é feito pela Iniciativa Liberal com caráter de urgência.

"O armazenamento e distribuição das vacinas não se encontra suficientemente detalhado, tendo em conta as condições especiais que o plano assegura que serão necessárias para a conservação das vacinas. Igualmente, a administração da vacina exclusivamente pelo Serviço Nacional de Saúde, excluindo, por exemplo, as farmácias, carece de fundamentação adequada, que não se encontra, ainda, assegurada", condena.

Quais são os critérios para receber a vacina?

Precisamente há uma semana, a 'task-force' criada pelo Governo para coordenar o plano de vacinação contra a covid-19 apresentou a primeira versão do documento, em que prevê três fases em 2021 e define critérios para a distribuição e administração na primeira.

A vacina contra a covid-19, que deverá chegar a Portugal já em janeiro, será universal, gratuita e facultativa, e será disponibilizada à população de acordo com as características aprovadas pela Agência Europeia do Medicamento.

Segundo a ministra da Saúde, Portugal vai comprar mais de 22 milhões de doses de vacinas contra a covid-19, no âmbito dos acordos entre seis farmacêuticas e a União Europeia, o que representa um custo de 200 milhões de euros.

Estão previstas três fases para a execução do plano de vacinação contra a covid-19 em 2021 que vão acompanhar o ritmo de disponibilização das vacinas, sendo expectável que nos primeiros meses ainda haja alguma escassez.

Os primeiros grupos prioritários são as pessoas com mais de 50 anos com patologias associadas, residentes e trabalhadores em lares, e profissionais de saúde e de serviços essenciais (forças armadas, forças de segurança e serviços críticos), o que representa, no total, 950 mil pessoas.

Por grupo, são 250 mil em lares e unidades de cuidados continuados, 400 mil com mais de 50 anos e comorbilidades associadas e 300 mil profissionais.

Na segunda fase, ou seja, a partir de março ou abril e até junho ou julho, serão vacinadas 1,8 milhões de pessoas com mais de 65 anos e cerca de 900 mil com patologias associadas e mais de 50 anos.

  • 1:55
  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes