Coronavírus

Covid-19. Três ministros chamados de urgência ao Parlamento

MÁRIO CRUZ/ LUSA

Requerimentos foram apresentados pelo CDS.

Saiba mais...

As ministras da Saúde e do Trabalho assim como o ministro da Economia vão ser ouvidos de urgência ao Parlamento para fazerem um ponto da situação do combate à pandemia de covid-19.

O grupo parlamentar do CDS-PP apresentou requerimentos para que os três responsáveis governamentais fossem ouvidos na Comissão Eventual para o acompanhamento da aplicação das medidas de resposta à pandemia da doença covid-19.

Os requerimentos para ouvir a ministra da Saúde, Marta Temido, a ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, e o ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, foram aprovados na quinta-feira, confirmou à Lusa a deputada centrista Cecília Meireles. A parlamentar espera que as audições se realizem em breve.

PORTUGAL REGISTA MAIS 95 MORTES E 5.080 CASOS DE COVID-19

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 5.080 casos de infeção e mais 95 mortes associadas à doença covid-19, segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde desta sexta-feira.

Desde o início da pandemia morreram em Portugal 5.373 pessoas, dos 340.287 casos de infeção confirmados. Foram considerados curados mais 4.100 doentes nas últimas 24 horas, totalizando 263.648.

Há menos 2 doentes internados nas Unidades de Cuidados Intensivos, totalizando 507. Em relação aos internamentos em enfermaria, há menos 74 pessoas internadas, totalizando agora 3.230.

A DGS refere também que as autoridades de saúde têm em vigilância 74.894 contactos, menos 739 em relação a quinta-feira, e que estão ativos mais 885 casos, totalizando 71.266.

No que diz respeito aos 5.080 novos casos, 2.395 registam-se na região Norte, 1.618 em Lisboa e Vale do Tejo, 787 na região Centro, 193 no Alentejo, 66 no Algarve, 16 nos Açores e 5 na Madeira.

Das 95 mortes a lamentar nas últimas 24 horas, o pior registo desde o início da pandemia, 41 ocorreram na região Norte, 32 em Lisboa e Vale do Tejo, 16 na região Centro, duas no Alentejo, duas no Algarve, uma nos Açores e uma na Madeira.