Coronavírus

Covid-19. Utentes aderem às cirurgias noutros hospitais com o mesmo médico

A ministra da Saúde, Marta Temido, durante uma conferência de imprensa de atualização de informação relativa à infeção pelo novo coronavírus (covid-19), no Ministério da Saúde, em Lisboa

JOSÉ SENA GOULÃO

Segundo Marta Temido, a relação estabelecida entre o médico e o doente justifica a elevada adesão.

Saiba mais...

Especialistas de vários hospitais de país estão a fazer cirurgias em unidades do setor privado e social para recuperar as listas de espera, uma medida que está a ser bem aceite pelos utentes, segundo a ministra da Saúde.

"A adesão dos utentes é naturalmente mais significativa do que com outras metodologias como, por exemplo, os vales cirúrgicos, que têm uma utilização que ronda os 20% por regra no nosso país", disse Marta Temido na conferência de imprensa regular de atualização dos números da pandemia de covid-19.

A ministra aponta como explicação para a adesão a esta medida a relação estabelecida entre o médico e o doente.

"O facto de as pessoas terem a informação de que podem ser operadas, por exemplo, numa outra instituição pelos profissionais que já os seguem gera maior adesão", sublinhou.

De acordo com a ministra, vários hospitais têm estado a fazer acordos com instituições do setor privado e do setor social para a realização da sua atividade programada com doentes não-covid.

"Trata-se de instituições que procuraram desta forma garantir que os seus profissionais que estão disponíveis para continuar a assegurar a atividade programada e que, muitas vezes, não têm instalações para o fazer porque estão fisicamente ocupadas na resposta à pandemia", explicou.

Assim, adiantou, procuram rentabilizar "a sua força de trabalho, os seus recursos humanos, utilizando espaços e, muitas vezes, integrando as equipas profissionais de outros setores".

"Há várias instituições no Serviço Nacional de Saúde que dentro da sua autonomia, que nós naturalmente incentivamos, que estão a utilizar essa metodologia de trabalho que de resto não é nova, agora é mais visível porque é mais necessária na medida em que temos de facto uma grande utilização dos espaços físicos dos nossos hospitais", sustentou.

Deu como exemplo a unidade local de Saúde de Matosinhos, o Centro Hospitalar Universitário de São João, o Hospital Fernando da Fonseca, na Amadora, o Hospital Garcia de Orta, em Almada, e o Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte (CHULN).

Segundo dados divulgados na quarta-feira, numa audição na Comissão de Saúde do parlamento, pela Associação Portuguesa dos Administradores Hospitalares (APAH) e a Ordem dos Médicos (OM), que criaram o Movimento Saúde em Dia, realizaram-se menos 2,7 milhões de contactos presenciais nos hospitais, onde se realizaram menos 18% de primeiras consultas, menos 21% de cirurgias programadas, menos 10% de cirurgias urgentes e menos 27% de episódios de urgência.

Portugal contabiliza pelo menos 5.373 mortos associados à covid-19 em 340.287 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

  • O cartão amarelo que não se percebe 

    Opinião

    Despir a camisola aquando da celebração de um golo é proibido pelas leis de jogo. Penso que toda a gente sabe disso. Aliás, basta apenas que um qualquer jogador cubra a cabeça usando essa peça de equipamento para ser sancionado.

    Duarte Gomes