Coronavírus

Covid-19. Japão ultrapassa pela primeira vez os 3.000 casos diários

FRANCK ROBICHON

O Japão está no meio da terceira onda de expansão da pandemia de covid-19.

Saiba mais...

O Japão superou hoje, pela primeira vez, os 3.000 casos diários de infeções pelo novo coronavírus em todo o país, registando um novo recorde na capital, com 621 novos casos, de acordo com fontes oficiais.

Segundo a agência EFE, que cita dados de diferentes órgãos oficiais aos quais a rede pública NHK teve acesso, registaram-se 3.031 novos infetados pelo novo coronavírus em todo o país. O número ultrapassa o recorde anterior de 2.972 casos, verificados na última quinta-feira.

As autoridades de Tóquio avançaram ainda que se verificaram 621 novos casos de SARS-CoV-2 na região metropolitana, que supera o nível máximo anterior, na última quinta-feira, quando foram registados 602 infetados

Com os novos casos de hoje, o Japão soma quase 179.000 casos de infeção por SARS-CoV-2 desde o início da pandemia.

O número de óbitos registado, este sábado, é de 21, subindo o total para as 2.588 mortes.

A EFE adianta que o número final será divulgado pelo Ministério da Saúde nas próximas horas.

O Japão está no meio da terceira onda de expansão da pandemia de covid-19.

O primeiro caso neste país foi conhecido em 16 de janeiro, correspondendo a um cidadão chinês residente no Japão que tinha viajado para Wuhan, onde surgiu o vírus.

Após a primeira vaga da pandemia, o Japão entrou em estado de alerta sanitário, de 7 de abril a 25 de maio, proibindo grandes eventos públicos e o encerramento de lojas não essenciais, entre outras medidas, mas sem confinamento da população.

Para esta terceira vaga, o Governo atribuiu um prazo de três semanas, a partir do dia 25 de novembro, para analisar a evolução da pandemia no país e a importância de aprovar novas restrições sociais.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.580.721 mortos resultantes de mais de 69,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.