Coronavírus

Hospital das Forças Armadas internou 419 doentes covid desde março

Atualmente, estão a ser tratados 66 doentes, 44 no polo do Porto e 22 no polo de Lisboa.

O Hospital das Forças Armadas (HFAR) tratou 419 doentes de covid-19 transferidos do Serviço Nacional de Saúde (SNS), desde o início da crise pandémica, em março, informou hoje o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA).

Atualmente, estão a ser tratados 66 doentes, 44 no polo do Porto e 22 no polo de Lisboa, segundo um comunicado do EMGFA.

Desde março, há meses, o povo do Porto do HFAR recebeu 249 doentes originários dos hospitais da Administração Regional de Saúde do Norte, enquanto o Polo de Lisboa, em apoio à Administração de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, acolheu 170 pessoas.

As Forças Armadas, segundo o comunicado, "disponibilizaram ao SNS 50 camas de internamento no HFAR-Polo do Porto e 20 camas de internamento, além de duas camas de cuidados intensivos no polo de Lisboa".

Desde março, quando começou a pandemia de covid-19, além de missões de transporte e de produção de gel desinfetante, para o SNS, as Forças Armadas contribuíram com instalações, camas em hospitais para pessoas infetadas (com sintomas ligeiros) e ajudaram na desinfeção de lares e escolas, por exemplo.

Portugal contabiliza pelo menos 5.373 mortos associados à covid-19 em 340.287 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

O país está em estado de emergência desde 09 de novembro e até 23 de dezembro, período durante o qual há recolher obrigatório nos concelhos de risco de contágio mais elevado.

Durante a semana, o recolher obrigatório tem de ser respeitado entre as 23:00 e as 05:00, enquanto nos fins de semana e feriados a circulação está limitada entre as 13:00 de sábado e as 05:00 de domingo, e entre as 13:00 de domingo e as 05:00 de segunda-feira.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão