Coronavírus

Causa da morte de funcionária do IPO está em segredo de justiça

Funcionária morreu após ter sido vacinada.

Especial Coronavírus

Os resultados preliminares da autópsia à funcionária do IPO do Porto, que morreu após ser vacinada contra a covid-19, afastam qualquer relação entre a morte súbita e a toma da vacina.

Segundo uma notícia publicada no domingo pelo Jornal de Notícias, uma assistente operacional do IPO (Instituto Português de Oncologia) do Porto, que foi vacinada contra a covid-19 a 30 de dezembro, morreu a 1 de janeiro, de forma súbita.

Segundo a mesma fonte, que cita um esclarecimento da instituição, a auxiliar não registou qualquer reação adversa à vacina.