Coronavírus

Covid-19. Final da Taça Libertadores sem público no Maracanã

Pilar Olivares

Final da 'Copa' Libertadores será disputada num só jogo pelo segundo ano seguido.

Especial Coronavírus

A final da Taça Libertadores de futebol, agendada para 30 de janeiro, no Estádio Maracanã, no Brasil, vai ser disputada sem público nas bancadas, devido à pandemia de covid-19, anunciou esta terça-feira a Confederação Sul-Americana de Futebol (CONMEBOL).

Em comunicado, o organismo refere que a decisão foi acordada entre os presidentes da CONMEBOL, Alejandro Domínguez, e da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, face à propagação do novo coronavírus na América do Sul.

"É uma decisão em conformidade com o que já foi manifestado pela CONMEBOL desde o início da pandemia, no sentido de trabalhar na retoma das competições, mas com o máximo de cuidados e preservando a saúde de todos os membros da família do futebol sul-americano", refere a nota emitida pela CONMEBOL.

A final da 'Copa' Libertadores será disputada num só jogo pelo segundo ano seguido, depois de em 2019 o Flamengo, então orientado por Jorge Jesus, ter batido os argentinos do River Plate por 2-1, em Lima, no Peru.

As meias-finais da presente edição da Taça Libertadores arrancam hoje, com a receção do River Plate ao Palmeiras, treinado pelo português Abel Ferreira, em jogo da primeira mão.

Na quarta-feira, Boca Juniors e Santos começam a disputar a outra meia-final, sendo que os encontros da segunda mão estão agendados para a próxima semana.