Coronavírus

Covid-19. Carris com alteração nos horários a partir de sábado

TIAGO PETINGA

Algumas carreiras vão ser suspensas.

Especial Coronavírus

A Carris vai alterar, a partir de sábado, o seu serviço com um corte de 14% face ao atual, e funcionar em horário de verão durante a semana, anunciou hoje a empresa.

"As alterações traduzem-se num corte de 14%, face ao serviço atual, ficando a operar com 89% do serviço oferecido no período homólogo. Estes ajustes, que entram em vigor a partir de sábado, serão monitorizados diariamente e alvo de alterações caso se verifique essa necessidade", pode ler-se numa resposta da empresa à Lusa.

A partir de segunda-feira, nos dias úteis passam a funcionar os horários de "Dia Útil de Verão" (DUV) na Carris, com alterações nas carreiras 706, 711, 758 e 781 que funcionarão com horário de "Dia de Férias Escolares" (DUF).

Segundo a empresa, vão ter suspensão integral de funcionamento as carreiras de bairro (com exceção das carreiras 26B, 29B, 34B, 37B, 40B e 41B), a carreira 24E, os ascensores (Bica, Glória e Lavra) e o Elevador de Santa Justa.

Já a partir do próximo fim de semana e nos seguintes, a Carris irá manter os horários atualmente praticados aos sábados e domingos/feriados, com a suspensão integral de funcionamento das carreiras de bairro (exceto a carreira 40B).

Será igualmente suspenso integralmente o funcionamento das carreiras 716, 720, 732 e 797, a carreira 24E, os ascensores e o Elevador de Santa Justa, tal como acontece nos dias úteis.

Os autocarros têm uma cabine para o condutor e dispensadores de gel desinfetante, enquanto os táxis e TVDE foram aconselhados a ter uma divisória entre o condutor e a retaguarda, onde se deslocam os passageiros, não sendo permitido o transporte no banco da frente.

As novas medidas tomadas pelo Conselho de Ministros para controlar a pandemia de covid-19, entre as quais o dever de recolhimento domiciliário, entram em vigor às 00:00 de sexta-feira, tendo como grande exceção ao primeiro confinamento o facto das escolas permanecerem abertas em todos os graus de ensino.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.979.596 mortos resultantes de mais de 92,3 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 8.384 pessoas dos 517.806 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro