Coronavírus

Morgue do Hospital de Aveiro sobrelotada

Eurico Bastos

Eurico Bastos

Repórter de Imagem

A mortalidade quintuplicou nos últimos dias.

Saiba mais...

O Hospital de Aveiro teve de reforçar a capacidade de armazenamento de cadáveres da morgue. Nos últimos dias, o número de mortos aumentou quase cinco vezes e deixou a casa mortuária sem capacidade de resposta.

A câmara frigorífica da morgue do Hospital de Aveiro tem capacidade para 8 cadáveres em simultâneo.

Nos últimos dias, a mortalidade cresceu de forma acentuada. Em média, morriam 2 a 3 pessoas por dia no hospital.

Nos últimos 5 dias, morreram 47, metade, vítimas da COVID.

Um número quase 5 vezes superior ao normal.

O acumular de corpos na casa mortuária levou a administração do Centro Hospitalar do Baixo Vouga a ter de reforçar a capacidade de armazenamento de cadáveres.

Nesta quinta-feira, deverá chegar uma nova plataforma com capacidade para mais 10 corpos. A estrutura pode ainda crescer e alojar mais cadáveres, se necessário.

A morgue funciona junto com o Gabinete médico-legal da cidade. Portanto, não recebe apenas os cadáveres do internamento e das urgências do hospital, mas todos os corpos vindos do exterior que exigem autópsia.

O hospital explica que, para além do enorme aumento da mortalidade, esta situação de pandemia estará a atrasar os processos nos tribunais, nas funerárias e nos crematórios.

As agências funerárias de Aveiro contactadas pela SIC nesta manhã asseguram que não tem sido complicado levantar os corpos e que também não têm tido maior dificuldade em marcar funerais e cremações.

O problema, dizem, é que há muito mais cadáveres a entrar na morgue em pouco tempo.

O Centro Hospitalar do Baixo Vouga reconhece a situação excecional mas sublinha que continuam a ser asseguradas a dignidade e a segurança do espaço da morgue.

Nesta quarta-feira, o Centro Hospitalar do Baixo Vouga tinha 150 pessoas internadas com covid-19, em enfermaria.

Estavam ocupadas 9 das 10 camas de Cuidados Intensivos.

A administração diz que a gestão de vagas é feita diariamente e que, se houver necessidade, ainda consegue aumentar os internamentos em enfermaria.

  • Mussolini: o pai dos populistas

    Extremos

    Antonio Scurati descreve Mussolini como "o primeiro líder populista da História". O líder fascista "é sem dúvida um ditador, mas foi também o ideólogo da tipologia de liderança populista que ainda hoje domina a cena política", conta o professor e investigador italiano à equipa Extremos

    Maria Rodrigues e Rita Murtinho