Coronavírus

Covid-19. Epidemiologista diz que número de novos casos está a descer a um "ritmo bastante bom"

Armando Franca

Defende, ainda assim, que se mantenha o confinamento para já.

Saiba mais...

Portugal ultrapassou o pico de contágios por covid-19 na última semana de janeiro, estando o número de novos casos diários a descer "a um ritmo bastante bom", disse esta quinta-feira à Lusa o epidemiologista Manuel do Carmo Gomes.

"Neste momento, já ultrapassamos o pico que teve lugar na última semana de janeiro e a descida está a ocorrer com uma taxa que é comparável àquela que tivemos em março quando confinámos nos primeiros dias", adiantou o professor da Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa.

Medidas de confinamento "foram decisivas"

Manuel do Carmo Gomes adiantou que as medidas de confinamento tomadas no dia 21 de janeiro "foram decisivas" para que as taxas recomeçassem a descer, tendo-se notado "descidas mais acentuadas em particular nos 13 aos 17 anos, nos seis aos 12 anos e de um modo geral em todas as outras idades".

Portanto, defendeu, "o fecho das escolas foi bastante importante para acelerar as taxas de variação diárias (em baixa) do número de novos casos".

No fim do mês de janeiro, as taxas de variação diária de novos casos de infeção com o coronavírus SARS-CoV-2 tornaram-se negativas, o que significa que começou a descer o número de contágios.

"Passamos a ter menos casos por dia do que tínhamos no dia anterior, o que significa que ultrapassamos o pico e estamos a descer a um ritmo bastante bom", vincou.

Contudo, advertiu, não deve haver precipitação em aliviar as medidas de confinamento sem que Portugal consiga atingir um nível de incidência diária relativamente baixo, não ultrapassando os 3.500 a 4.000 novos casos por dia.

Segundo Carmo Gomes, o país ainda pode levar algumas semanas até chegar a este nível.

Defende a manutenção das medidas

"Quanto mais nos mantivermos bastante confinados mais rapidamente chegamos a este nível de incidência", defendeu, explicando que se o país atingir este nível, a ocupação hospitalar não deve ultrapassar os 1.800 a 2.000 internados com covid-19, o que corresponde aproximadamente a 250 a 280 camas em cuidados intensivos, o que parece ser uma "situação gerível" pelo Serviço Nacional de Saúde (SNS).

Estes últimos dados são baseados num estudo feito para os meses de agosto, setembro e outubro, quando Portugal não estava "na atual situação de grande constrição nos hospitais".

"Portanto, se nós aceitarmos que este nível é gerível pelo SNS, conseguir descer a incidência para estes níveis é uma regra imperativa para proteger o sistema nacional de saúde".

Paralelamente, "é preciso aumentar a testagem, o rastreio e testagem dos casos. Neste momento, a percentagem de casos positivos entre os que são testados é elevadíssima, sendo que há dois dias era de cerca de 20%", disse.

"Para podermos desconfinar e voltar a uma vida normal, depois de atingir o nível de incidência há pouco tempo, é necessário que tenhamos um nível de testagem suficientemente elevado para não termos uma positividade que ultrapasse os 10%, sendo que o ideal era estar em 5%", salientou.

Manuel do Carmo Gomes defendeu ainda a necessidade de adotar a proposta da Comissão Técnica de Vacinação: vacinar o maior número possível de pessoas vulneráveis e de alto risco o mais depressa possível.