Coronavírus

O que podemos fazer para mitigar os efeitos do isolamento?

Pedro Morgado, psiquiatra no Hospital de Braga, em entrevista à SIC Notícias, deixa alguns conselhos.

Saiba mais...

Pedro Morgado explica que desde o início da pandemia que se suspeitava, mas que existe realmente "um impacto naquilo que é a saúde, não só mental, mas também física".

"Nós já esperávamos, sendo a relação humana um dos principais determinantes da nossa saúde, (...) e estando ela muito limitada nesta fase da pandemia. De facto vamos ter consequências funcionais, mas também estruturais no cérebro das pessoas que estão em maior isolamento."

O psiquiatra diz que "as pessoas institucionalizadas nos lares têm à partida já fatores de risco mais significativos", mas as pessoas que vivem nas próprias casa e que "têm uma redução muito significativa dos contactos (...) também têm aqui o aumento dos riscos".

Enquanto sociedade, Pedro Morgado entende que se pode promover uma interação social à distância: "Os contactos sociais são o melhor remédio para prevenir o estabelecimento destas situações".

Pedro Morgado, também vice-presidente da escola de Medicina da Universidade do Minho e professor de Psiquiatria e Comunicação Clínica, deixa ainda alguns conselhos que podem ser aplicados em lares.

Reveja a Grande Reportagem "Longo Inverno" em opto.sic.pt.

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia