Coronavírus

"Até ao final do ano não há nenhuma possibilidade de nós pensarmos que temos a situação controlada"

Entrevista SIC Notícias

Jorge Atouguia, médico Infecciologista e de Medicina Tropical e também presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina do Viajante, em entrevista à SIC Notícias.

Saiba mais...

A União Europeia está a estudar "um conjunto de recomendações" para viajar sem restrições no verão, incluindo um certificado de imunidade ao coronavírus ou um teste rápido.

Jorge Atouguia diz que este conjunto - certificado de imunidade ao coronavírus ou um teste rápido - "vai ser uma ajuda para regressar às viagens", mas explica que depende também daquilo que vai acontecer em cada região que vai ser visitada.

As vacinas poderão dar "uma certa segurança do ponto de vista de [as pessoas] não se infetarem ao viajar".

"Quantos menos vírus estiverem a circular, mais seguro se torna poder viajar. E se as pessoas tiverem vacinadas com as duas doses da vacina ainda mais seguro vai ser a viagem."

O certificado de vacinação na Europa, "que ainda precisa de ser bastante discutido, pode ser o primeiro passo para que exista algum certificado para viagens internacionais", diz o médico infecciologista e de Medicina Tropical. No entanto, alerta: "O facto de estarmos vacinados não impede que nós não possamos transmitir a doença".

"A questão de alguém viajar vacinado não quer dizer que essa pessoa não vá constituir um risco para as pessoas que estão no local para onde vai viajar."

O presidente da Sociedade Portuguesa de Medicina do Viajante considera que se deve olhar para o verão "não como uma libertação, mas como uma sedimentação de todo este tipo de sacrifícios".

"Até ao final do ano não há nenhuma possibilidade de nós pensarmos que temos a situação controlada."

  • 2:29