Coronavírus

Pandemia aumentou casos de violência doméstica e desigualdades para as mulheres

Portugal é o quinto país da UE com maior impacto da pandemia no mercado do trabalho e as mulheres foram as mais afetadas.

Saiba mais...

A APAV está a realizar um estudo para perceber o impacto da pandemia nos casos de violência doméstica. Em Lisboa já se sabe que os pedidos de ajuda aumentaram. Quanto ao mercado de trabalho, a covid-19 também acentuou - ainda mais - as desigualdades.

Entre março e maio do ano passado, durante o primeiro confinamento, chegaram à APAV 546 pedidos de ajuda por violência doméstica.

Num estudo, a APAV quer comparar os dados referentes a 2019 e 2020 sobre a violência doméstica e a violência contra as mulheres. O objetivo é perceber se o número de casos aumentou na pandemia. Os dados devem ser revelados em maio. Para já, sabe-se que em Lisboa, por exemplo, os pedidos de ajuda e alojamento em casas de autunomização aumentaram.

O impacto da pandemia nas mulheres não fica só pela violência doméstica. Se falarmos de mercado de trabalho, as desigualdades acentuam-se cada vez mais.

Dados de um novo estudo do Instituto Europeu da Igualdade de Género revelam que foram as mulheres que mais tiveram reduções de horários, mais horas não remuneradas e estão também em maioria no que toca ao teletrabalho. Se falarmos sobre a assistência a dependentes, são também as mulheres que abdicam mais do trabalho.

Elas têm, no entanto, mais escolaridade e até mais formação superior. Ainda assim, a taxa de emprego dos homens continua a ser superior. Portugal é, segundo a tabela da União Europeia, o quinto país onde o impacto da pandemia foi maior no mercado do trabalho – e as mulheres foram as mais afetadas.

  • 2:33