Coronavírus

Covid-19. Governo francês teme forte impacto de novas restrições na economia

A pressão nos hospitais mantém-se elevada e as escolas vão fechar.

O ministro das Finanças de França admite que as novas restrições vão prejudicar o crescimento do país, mas diz que ainda é cedo para fazer avaliações. Bruno Le Maire reforça que os fundos europeus são uma ajuda essencial e que têm mesmo de chegar até ao final do ano.

A pressão nos hospitais mantém-se com um elevado número de pessoas em cuidados intensivos e com perspetivas que a situação possa ainda piorar. O Governo já anunciou novas medidas restritivas, entre elas, o fecho das escolas por três semanas.

Em entrevista a um canal de informação, esta sexta-feira, o ministro francês acredita que o novo confinamento terá um forte impacto forte na economia, mas afirma que, em breve, o Governo estará mais capaz de avaliar o impacto da crise.

Na mesma entrevista, apontou o dedo à União Europeia, dizendo que os fundos de apoio às economias são mesmo necessários.

Bolsonaro volta a ser assunto

No Brasil, um deputado federal revelou que o Presidente gastou mais de 350 mil euros em férias quando há vários hospitais sem recursos para combater a pandemia. Os documentos que comprovam os gastos do presidente foram enviados a um deputado federal socialista que acusa Jair Bolsonaro de dar uma “bofetada” no povo brasileiro.

De acordo com as informações fornecidas ao Parlamento, o chefe de Estado terá gasto mais de 2,3 milhões de reais em férias realizadas no litoral do país entre dezembro de 2020 e janeiro deste ano.

O deputado Elias Vaz, que denunciou o caso, condenou o Presidente por um gasto que considera absurdo e já pediu ao Tribunal de Contas brasileiro uma investigação.

Veja também: