Coronavírus

Covid-19. “Não foi por falta de disponibilidade orçamental que o Governo deixou de dirigir apoios”

Siza Vieira afirma que o Governo optou por "dirigir os apoios" aos setores mais afetados.

O ministro da Economia nega que o Governo tenha alguma vez poupado na atribuição de apoios às empresas e famílias afetadas pela pandemia para proteger o défice. Numa audição conjunta com a ministra do Trabalho, esta terça-feira, no Parlamento, Siza Vieira disse que o objetivo sempre foi mitigar o impacto até à retoma nalgumas atividades.

“Não foi por falta de disponibilidade orçamental que o Governo deixou de dirigir apoios”, disse o ministro da Economia, referindo ainda que “não é uma vontade de proteger o défice ou de estar limitado por essa capacidade que nos impede de responder à medida das necessidades”.

Siza Vieira afirmou ainda que as “medidas são insuficientes” e que “serão sempre insuficientes” num contexto como o causado pela atual pandemia.

“A quebra da economia que se verificou, da procura, da clientela é insuscetível de compensação integral. E há muitas empresas que, sempre dissemos, não vão receber apoios em função dos critérios que determinámos. Por isso, escolhemos dirigir os apoios aos setores e às empresas que foram mais afetadas por essa crise e agora até incrementámos esses apoios”, explicou o ministro.