Coronavírus

Que cuidados devem ter bailarinos, ginastas ou músicos quando for altura de voltar ao trabalho?

No Dia Mundial da Arte, Ana Zão, médica com diferenciação em Medicina das Artes Performativas, esclarece os cuidados e os problemas que podem surgir.

Saiba mais...

Depois de meses parados, e sem espetáculos, bailarinos, ginastas ou músicos tentam manter-se em forma em casa.

Estes profissionais das artes, que usam o corpo como instrumento de trabalho, enfrentam riscos acrescidos, quando for altura de voltar ao trabalho.

No Dia Mundial da Arte, Ana Zão, médica com diferenciação em Medicina das Artes Performativas, em entrevista à SIC Notíciais, considera ser "muito importante, nesta fase de retoma, os artistas terem alguns cuidados, pois o aumento abrupto das exigências físicas, psíquicas e técnicas pode aumentar o risco de desenvolvimento de lesões".

"O risco de lesões musculoesqueléticas e neurológicas é bastante acrescido."

Ana Zão explica ainda que nem todos os artistas aqui englobados têm o devido acompanhamento médico para a prática das respetivas profissões.

Veja também:

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia