Coronavírus

Covid-19. Primeiro-ministro britânico anuncia inquérito em 2022 sobre gestão da pandemia

POOL New

Boris Johnson disse que "o Estado tem a obrigação de examinar as suas ações da forma mais rigorosa e honesta possível".

Saiba mais...

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou hoje que um inquérito público "completo e independente" sobre como o Governo geriu as questões relacionadas com a pandemia da covid-19 vai começar no próximo ano.

Reconhecendo o impacto da pandemia no país, Johnson disse que "o Estado tem a obrigação de examinar as suas ações da forma mais rigorosa e honesta possível e de aprender todas as lições para o futuro".

Os responsáveis pelo inquérito, que não foram ainda nomeados, terão plenos poderes para consultar documentos oficiais e pedir testemunhos orais sob juramento, colocando "as ações do Estado sob o microscópio".

O primeiro-ministro disse que ainda existe o risco de novas variantes do coronavírus mais transmissíveis e resistentes às vacinas causarem uma nova vaga de casos com o "potencial de causar um sofrimento ainda maior do que sofremos em janeiro".

"Há uma grande probabilidade de um pico neste inverno, quando o clima ajuda na transmissão de todas as doenças respiratórias. Portanto, espero que o momento certo para o início do inquérito seja no final deste período, na primavera do próximo ano, primavera de 2022", defendeu.

O líder do Partido Trabalhista, Keir Starmer, urgiu um início "o mais cedo possível", eventualmente ainda este ano.

Um grupo de familiares de vítimas da doença tem feito pressão desde o verão passado para ser aberto um inquérito independente urgente sobre a pandemia, cujas lições poderão ser "fundamentais para salvar vidas agora e no futuro".

Um inquérito público ordenado pelo Governo é normalmente conduzido por um juiz e inclui testemunhas representadas por advogados, podendo os trabalhos prolongar-se durante meses ou até anos.

O inquérito de John Chilcott sobre a decisão de o Reino Unido participar na guerra no Iraque, por exemplo, começou em 2009, mas o relatório só foi publicado em 2016.

O Reino Unido é o país europeu com o maior número de mortes de covid-19 desde o início da pandemia, 127.629 óbitos registados até terça-feira, mas o balanço sobe para 151.765 óbitos se forem somados os casos cujas certidões de óbito fazem referência ao novo coronavírus como fator contributivo.