Coronavírus

Covid-19: metade dos passageiros de voo da Índia para Austrália impedidos de viajar

Anushree Fadnavis

Estavam infetados com covid-19 ou por tinham estado em contacto com doentes.

Saiba mais...

Cerca de metade dos passageiros que deviam chegar à Austrália num voo proveniente da Índia, após uma suspensão de duas semanas, não seguiram viagem por estarem infetados com covid-19 ou por terem estado em contacto com doentes.

O voo da companhia Qantas, fretado pelo Governo australiano, tem capacidade para transportar 150 cidadãos retidos na Índia, fazendo a primeira ligação entre os dois países desde as restrições impostas no passado dia 30 de abril.

A Índia é neste momento um dos países mais afetados pela crise sanitária.

O responsável do Governo australiano pelas relações com a Índia, Barry O'Farrel disse que "numerosos" passageiros que tinham programado viajar não vão ser autorizados a embarcar em Nova Deli porque apresentaram testes que indicam estarem infetados com covid-19.

"Estou desapontado, assim como os australianos que não vão poder embarcar no voo", disse O'Farrel à Australian Broadcasting Corp. (ABC).

"A minha equipa na Índia trabalhou muito para lhes prestar assistência e conseguir lugares neste voo, porque estão vulneráveis", acrescentou o responsável.

Há cerca de 10 mil cidadãos australianos, ou estrangeiros residentes na Austrália, que se encontram na Índia aguardando uma possibilidade de regressar a casa.

Mais de mil pessoas foram consideradas "vulneráveis" e, por isso, foi-lhes dada prioridade pelo governo australiano.

Mais de 40 passageiros que se registaram no primeiro voo testaram positivo com covid-19 e outros 30 foram rejeitados por terem estado em contacto com pessoas infetadas com SARS CoV-2, disse à Associated Press uma fonte oficial australiana não identificada.

De acordo com notícias difundidas pela Nine Network News, 48 pessoas foram testadas como positivas e 24 não podem viajar por causa dos contactos que mantiveram com infetados.

O voo da Qantas deve chegar sábado a Darwin, no norte da Austrália, onde todos os passageiros vão permanecer em quarentena em instalações preparadas para o efeito.

O'Farrel disse que os lugares vazios não podem ser ocupados por causa das medidas de distanciamento sanitário impostas pelas autoridades australianas.

"Nós estamos no meio de uma 'crise covid' aqui na Índia e são precisas pelo menos 24 horas, ou mais, para obtermos os resultados dos testes", disse ainda O'Farrell.

O mesmo responsável disse que os passageiros que foram impedidos de viajar são "elegíveis" em futuras ligações aéreas assim que apresentem condições de saúde necessárias.

O governo de Camberra prevê que o próximo voo de repatriamento ocorra no próximo dia 23 de maio.

Pelo menos seis voos fretados pelo governo australiano devem fazer ligações de repatriamento até ao final do mês.

A Austrália prevê que as ligações regulares internacionais são impossíveis de ser restabelecidas com a Índia até meados de 2022.

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.333.603 mortos no mundo, resultantes de mais de 160,3 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

  • 8:23