Coronavírus

Boris Johnson anuncia final do confinamento a 19 de julho

A obrigatoriedade do uso de máscara e as restrições do número de pessoas no interior e exterior serão algumas das medidas levantadas.

Saiba mais...

Boris Johnson anunciou, esta segunda-feira, o fim do confinamento em Inglaterra. Daqui a duas semanas, prevê-se que o uso de máscara deixe de ser obrigatório, no entanto, o primeiro-ministro britânico disse irá continuar a usá-la em lugares lotados “por cortesia”.

Para além do final da obrigatoriedade do uso de máscara, vão ser também levantadas as restrições sobre o número de pessoas que podem ser convidadas para casas pessoais, assim como a indicação de teletrabalho.

“Afastamo-nos das restrições legais e permitimos que as pessoas tomem as suas decisões informadas sobre como lidarem com o vírus”, disse o primeiro-ministro britânico.

Apesar de o número de casos de covid-19 continuar a aumentar no país, Johnson disse que a maioria das pessoas hospitalizadas não estava vacinada e que o número de mortes continua reduzido.

"Temos de contrabalançar os riscos da doença, que as vacinas reduziram, mas que não eliminaram, e os riscos de manter as restrições impostas por lei que inevitavelmente terão impacto na vida das pessoas, trabalhos e saúde e saúde mental", justificou.

Boris Johnson acredita que o final do confinamento irá acontecer a 19 de julho, como estava planeado, mas remete a decisão final para o dia 12 de julho - data em que serão revistos os dados mais recentes.

O Governo britânico irá anunciar nos próximos dias as atualizações às várias medidas de restrição atualmente em vigor.

Pessoas vacinadas oriundas dos países da "lista amarela" deixam de ser obrigada a quarentena

Boris Johnson confirmou também que as pessoas com vacinação completa deverão ser isentas de quarentena na chegada de países da "lista amarela", como é o caso de Portugal, mas os detalhes só serão conhecidos no final da semana.

Estas regras serão aplicadas em Inglaterra, já que Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte têm autonomia para desenvolver os seus próprios planos de desconfinamento.

Veja mais: