Coronavírus

Covid-19: Mais 1.780 mortes e 62.504 novos casos no Brasil em 24 horas

Pilar Olivares

O Brasil contabilizou 1.780 mortes e 62.504 casos de infeção pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, informou o Ministério da Saúde brasileiro no seu último boletim epidemiológico.

Saiba mais...

No total, o Brasil, com 212 milhões de habitantes é o país lusófono mais afetado pela pandemia, concentra 526.892 óbitos e ultrapassou hoje a barreira dos 18,8 milhões de casos de covid-19 (18.855.015), somados desde fevereiro de 2020, mês em que o primeiro caso foi oficialmente registado em território brasileiro.

A tutela da Saúde dá ainda conta de uma taxa de incidência da doença no país de 251 mortes e 8.972 casos por 100 mil habitantes. Já a taxa de letalidade da covid-19 permanece em 2,8% há várias semanas consecutivas.

O Brasil, que, segundo especialistas, encontra-se a atravessar uma terceira vaga da pandemia, é o segundo país com mais mortes em todo o mundo, depois dos Estados Unidos, e o terceiro com mais casos, superado pelos norte-americanos e pela Índia.

Além disso, voltou hoje a ser a nação com maior número de óbitos e de casos de covid-19 em todo o mundo nas últimas 24 horas, de acordo com o painel Worldometer.

A nível nacional, São Paulo continua a ser o foco interno da pandemia, concentrando 3.809.222 diagnósticos positivos de Sars-CoV-2 e 130.389 vítimas mortais.

Das 27 unidades federativas brasileiras, seis já superam um milhão de casos, cada (São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul, Bahia e Santa Catarina).

Ainda de acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil já registou a recuperação de 17,2 milhões de casos de covid-19.

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, anunciou hoje a inclusão de funcionários bancários e de trabalhadores dos Correios na lista de prioritários na vacinação contra a Covid-19, ressaltando que estas duas categorias profissionais têm um papel essencial para que a economia continue a fluir no país.

De acordo com Queiroga, ambas as categorias elaboraram relatórios sobre o adoecimento de profissionais, que foi submetido ao Conselho Nacional de Secretários de Saúde.

Mais de 500 mil bancários serão vacinados contra a doença, segundo dados oficiais.

No anúncio à imprensa, o ministro disse ainda que o Governo tem um cronograma de vacinação "muito bem organizado".

"Só nos últimos cinco dias nós distribuímos 13,5 milhões de doses de vacinas. Essa narrativa, de que a campanha está atrasada, isso aí já se dissolveu. Veja a narrativa da Copa América, que iria criar um aumento da pandemia. O que aconteceu? A pandemia caiu", argumentou o ministro.

Contudo, no país sul-americano somam-se os casos de alegadas burlas ao sistema de saúde visando a aplicação de três doses de vacinas contra a covid-19.

Após ter sido noticiado, na semana passada, que pelos menos dois médicos e uma veterinária se aproveitaram do facto de os sistemas informáticos dos postos de saúde não estarem a funcionar para tomar três doses de imunizantes contra a covid-19, o canal televisivo CNN Brasil noticiou hoje que alunos da Universidade Nove de Julho, em São Paulo, aproveitaram-se da rotina médica para burlar o sistema e tomar uma terceira dose do imunizante.

Um dos alunos contou que burlou o sistema porque leu artigos que apontam a eficácia da terceira dose, tendo incentivado os colegas a fazerem o mesmo.

Nesse sentido, a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo informou que investiga as irregularidades. Até ao momento, nenhuma vacina aprovada pelo órgão regulador brasileiro é aplicada em três doses.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 3.987.613 mortos em todo o mundo, resultantes de mais de 184,1 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente feito pela agência France- Presse.