Coronavírus

Covid-19 nos Açores. Eventos públicos autorizados e casamentos com teste obrigatório

JovanaT

As novas medidas entram em vigor a partir de sábado.

Saiba mais...

Os eventos públicos culturais e desportivos podem realizar-se em todos os concelhos dos Açores a partir de sábado e, nos casamentos e batizados, começam a ser exigidos testes ao SARS-CoV-2, anunciou esta quinta-feira o secretário da Saúde.

"Eventos públicos, culturais ou desportivos podem existir e com público em qualquer nível de risco, apenas com limitação de lotação", adiantou o titular da pasta da Saúde nos Açores, Clélio Meneses, numa conferência de imprensa, em Angra do Heroísmo.

Até agora, nos Açores estava suspensa a realização de "eventos públicos promovidos pela administração regional, incluindo institutos públicos e empresas do setor público empresarial regional" nos concelhos com médio, médio alto e alto risco de transmissão do coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, havendo a recomendação para que autarquias e entidades do setor privado seguissem a mesma medida.

A partir das 00:00 de sábado, passa a ser possível a realização de eventos públicos em todos os concelhos, mas a lotação máxima depende do nível de risco.

"Nos concelhos de muito baixo risco, há uma limitação de lotação de metade da respetiva capacidade. Nos de baixo risco, é de um terço da respetiva capacidade e, nos concelhos de médio risco ou superior, um quarto da respetiva capacidade e sujeitos a plano de contingência", revelou Clélio Meneses.

Quanto aos eventos privados que impliquem maior concentração de pessoas, como casamentos ou outras festas religiosas, também passam a poder realizar-se em todos os concelhos, independentemente do nível de risco, mas os participantes terão de realizar testes de despiste do SARS-CoV-2.

"Considerando que há evidência de maior risco de contaminação em festejos e ajuntamentos, nomeadamente casamentos, batizados e eventos do género, está definido que podem realizar-se, em qualquer nível de risco. No entanto, com limites de lotação, de acordo com os níveis de risco, mas também com obrigatoriedade de realização de testes para participar neste tipo de eventos", avançou o secretário regional da Saúde.

Segundo Clélio Meneses, "se forem testes PCR, têm de ser feitos com um máximo de 72 horas de antecedência relativamente à ocorrência do evento", se forem testes de antigénio devem ser realizados com antecedência de 48 horas e "os autotestes podem ser realizados no momento".

O organizador do evento "ficará responsável por identificar todos os presentes e assegurar que foram realizados os testes", para no caso de existir algum tipo de contágio ser possível identificar os contactos.

O governante justificou estas medidas com a inexistência de óbitos por covid-19 nos Açores, alegando que o último caso registado se deveu a comorbilidades, e à redução do número de internamentos com esta doença.

"Em abril de 2020 chegámos a ter num dia 40 internados, em janeiro deste ano chegámos a ter 28 internamentos. Temos apenas quatro internados e esta realidade, de termos menos internamentos e de não haver óbitos, demonstra que estamos num tempo diferente, em que a nossa proteção está a ser garantida pelo processo de vacinação em curso", salientou.

A partir das 00:00 de sábado, na ilha de São Miguel, os concelhos de Ribeira Grande e Lagoa ficarão em alto risco, Ponta Delgada em médio alto risco, Vila Franca do Campo em baixo risco e Nordeste e Povoação em muito baixo risco.

Também os concelhos das restantes ilhas dos Açores, onde não está identificada transmissão comunitária do SARS-CoV-2, ficarão em muito baixo risco.

A avaliação dos níveis de risco na região tem por base um modelo alemão, de semáforos, e é calculado em função do número de novos casos de covid-19 por 100 mil habitantes num período de sete dias.

Existem cinco níveis de risco: muito baixo (menos de 25 casos por 100 mil habitantes), baixo (entre 25 e 49 casos por 100 mil habitantes), médio (entre 50 e 74 casos por 100 mil habitantes), médio alto (entre 75 e 99 casos por 100 mil habitantes) e alto (mais de 100 casos por 100 mil habitantes).

Os Açores têm atualmente 306 casos ativos de infeção pelo novo coronavírus, que provoca a doença covid-19, dos quais 286 em São Miguel, nove na Terceira, seis no Pico, dois no Faial, dois em São Jorge e um nas Flores.

Desde o início da pandemia foram diagnosticados na região 6.580 casos de infeção, tendo ocorrido 6.099 recuperações e 34 mortes. Saíram do arquipélago sem terem sido dadas como curadas 83 pessoas e 58 apresentaram comprovativo de cura anterior.

Veja mais: