Coronavírus

Público regressa aos estádios no início da próxima época

A lotação será limitada a 33% do recinto.

Saiba mais...

Os estádios de futebol vão voltar a ter público já no início da próxima época. As competições profissionais passam a poder ter apoiantes, com um limite máximo de 33% da lotação do recinto desportivo, anuncia esta sexta-feira a Liga Portugal.

Depois de uma luta Direção da Liga e das Sociedades Desportivas é com enorme satisfação que vemos concretizada a reivindicação da Liga Portugal e das suas associadas de ter os adeptos de regresso aos estádios”, pode ler-se no comunicado

As regras para este tão aguardado regresso do público serão publicadas pela Direção-Geral de Saúde (DGS). Para já, sabe-se que a lotação máxima será de 33% do recinto e que é obrigatório apresentar, à entrada, o certificado digital que comprove a vacinação ou um teste negativo realizado nas 48 horas anteriores.

"Ficou também acordado que os limites de lotação e condições de acesso serão reavaliados ao longo da época, em função da evolução epidemiológica do País e da progressão do processo de vacinação e consequente alcance da imunidade de grupo", anuncia ainda a Liga Portugal.

Diretora da Liga Portugal celebra a "boa nova"

Sara Carneiro considera a notícia positiva e espera poder "ter os estádios cheios". A diretora executiva da Liga Portugal explica quais as regras acordadas com a DGS.

"Neste momento a boa nova é que teremos 33% da lotação dos nossos estádios com permissão de ter público para os jogos das competições profissionais", disse diretora executiva da Liga Portugal, em entrevista à SIC Notícias.

Para além da obrigatoriedade de apresentar o certificado digital ou o teste negativo, Sara Carneiro sublinha ainda que "todas as infraestruturas cumprem os planos para deslocação, acessos e movimentação das pessoas dentro dos estádios". A separação física dos adeptos será também uma preocupação e o uso de máscara mantém-se obrigatório.

"A nossa missão é ter os estádios cheios, com ocupação total, mas percebemos que temos de fazer isto de uma forma paulatina", remata.

Veja mais: