Coronavírus

Covid-19. Anúncio do Governo australiano gera polémica 

Passa uma "mensagem confusa e contraditória" através de imagens "demasiado gráficas".

Saiba mais...

Um anúncio divulgado pelo Governo australiano que alerta para a gravidade da pandemia de covid-19 no país está a gerar polémica. Em causa estão as imagens demasiado gráficas e a mensagem que apela aos jovens para irem receber a vacina, quando a maior parte das pessoas abaixo dos 40 ainda não podem ser vacinadas.

"A covid-19 pode afetar qualquer um. Fica em casa. Faz o teste. Agenda a vacinação", são as palavras de ordem do anúncio, de 30 segundos, que pretende mostrar aos jovens os riscos da covid-19 através da variante Delta.

Para além da mensagem, o anúncio mostra ainda uma jovem com falta de ar.

Governo da Austrália

O anúncio, que começou a ser exibido no domingo, em Sidney, "é muito gráfico e é mesmo suposto que seja gráfico", esclareceu o principal consultor de saúde do Executivo australiano, Paul Kelly. "Só estamos a fazer isto por causa da situação (pandémica)".

Esta nova publicidade faz parte de uma campanha de saúde do Governo da Austrália que pretende chamar a atenção para a gravidade da situação epidemiológica no país, que piorou na última semana.

No entanto, de acordo com a CNN, muitos australianos expressaram preocupação perante o uso de "táticas insensíveis de intimidação" e aquilo que classificam de "mensagens confusas e contraditórias".

Ouvido pela emissora norte-americana, Bill Bowtell, professor e consultor de saúde, defendeu que o anúncio é "errado de todas as maneiras possíveis".

"A comunicação relativa à saúde deve ser de bom gosto e tem de ser integridade e honestidade. Isto falha nesse aspeto."

O professor destacou ainda que a maior parte das pessoas com menos de 40 anos ainda não pode ser vacinada com a Pfizer, uma das vacinas utilizadas no país. A outra é a da AstraZeneca.

Este mês, o primeiro-ministro Scott Morrison anunciou que as pessoas abaixo dos 40 anos podiam pedir ao seu médico de família para receberem a vacina AstraZeneca, mesmo que ainda não fossem elegíveis para o efeito.

Contudo, o anúncio não foi bem-recebido pelas autoridades de saúde oficiais, que sugerem que os mais jovens devem esperar para receber a vacina da Pfizer, devido ao risco de coágulos sanguíneos, um sintoma raro da AstraZeneca.

A Austrália registou esta segunda-feira o maior aumento diário de novos casos desde o início do ano. A maior parte foi detetado na região de Sidney, onde nem as quase 3 semanas de confinamento estão a conseguir travar o avanço da variante Delta.