Coronavírus

Covid-19. Biden quer vacinação dos funcionários federais e propõe incentivos

Ken Cedeno

Caso não sejam vacinados, os funcionários federais terão de cumprir várias medidas restritivas.

Saiba mais...

O Presidente norte-americano, Joe Biden, decretou esta quinta-feira um conjunto de medidas para impulsionar a vacinação contra a covid-19 nos Estados Unidos da América (EUA), incluindo exigir que milhões de funcionários federais sejam vacinados, divulgou a Casa Branca.

Caso não sejam vacinados, os funcionários federais terão de cumprir várias medidas restritivas, nomeadamente serão obrigados a usar a máscara de proteção individual de forma contínua, mesmo em zonas onde a incidência de transmissão do novo coronavírus é baixa, e terão de ser submetidos a testes de diagnóstico de forma regular, uma ou duas vezes por semana, segundo precisou a Presidência norte-americana num comunicado.

A mesma nota informativa referiu que os movimentos de circulação dos funcionários federais não vacinados também serão abrangidos por limites.

Apesar de não impor a obrigatoriedade da vacinação, estas medidas representam uma mudança de rumo da administração de Joe Biden, que, até à data, tinha insistido na promoção do princípio da responsabilidade individual de cada cidadão e em mensagens de encorajamento.

A estrutura do Governo federal norte-americano emprega quatro milhões de pessoas, incluindo dois milhões de civis.

No que diz respeito aos militares, o Presidente norte-americano pede ao exército que avalie, "como e quando", a introdução da vacina anti-covid na lista de vacinas obrigatórias para os respetivos efetivos.

Ainda para impulsionar a vacinação no país, o líder norte-americano propõe às autoridades locais que paguem 100 dólares (cerca de 84 euros) a qualquer pessoa que se deixe vacinar, esclarecendo que tal medida irá utilizar os fundos de emergência disponibilizados para lidar com a atual pandemia.

Medidas surgem num momento em que os EUA testemunham crescimento de novos casos

Este conjunto de medidas surge num momento em que os EUA estão a testemunhar um crescimento de novos casos da doença covid-19 e que as autoridades tentam gerir a progressão no país da variante Delta do coronavírus SARS-CoV-2, identificada como mais transmissível e mais resistente, ao mesmo tempo que a campanha de vacinação nacional estagnou.

Tentar sensibilizar os norte-americanos que se recusam a ser vacinados ou que mostram alguma relutância em serem inoculados tem sido outro dos esforços das autoridades.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 4.190.383 mortos em todo o mundo, entre mais de 195,8 milhões de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente da agência France-Presse.

Os EUA continuam a ser o país mais afetado a nível global, tanto em número de mortos como de casos, com um total de 611.801 mortes entre 34.672.829 casos recenseados, segundo a contagem da universidade norte-americana Johns Hopkins.