Coronavírus

DGS apresenta estratégia para minimizar casos graves de covid-19

A situação da pandemia em Portugal está para já longe da linha vermelha, mas poderá agravar-se durante o inverno.

Saiba mais...

Em Portugal, a maioria das regiões regista uma "tendência crescente" de infeções por SARS-CoV-2, ainda que nenhuma região apresente uma incidência de novos casos superior ao limiar de 240 casos por 100 mil habitantes, segundo relatório das "linhas vermelhas" divulgado esta sexta-feira.

O R(t) subiu no Norte de 0,97 para 1,00, no Centro de 1,05 para 1,11, em Lisboa e Vale do Tejo de 1,02 para 1,03 e no Algarve de 0,85 para 0,95. Com uma evolução contrária, está o Alentejo que apresentou uma redução do Rt de 1,06 para 0,80 no espaço de uma semana.

Já no que diz respeito à mortalidade por covid-19, verificaram-se 9,4 óbitos em 14 dias por um milhão de habitantes, que corresponde a um aumento de 2% relativamente à semana anterior.

O período de outono-inverno pode trazer motivos de preocupação. As temperaturas mais baixas, o possível aumento de outras doenças respiratórias como a gripe, a maior mobilidade da população e as festividades do Natal e final do ano são desafios adicionais que esta altura coloca.

As autoridades de saúde apresentaram uma estratégia assente em três cenários para minimizar os casos de doença grave e de mortalidade.

O primeiro cenário assume que não existem alterações na eficácia da vacina nem pressão adicional sobre o sistema de saúde. O cenário intermédio já considera uma redução lenta da eficácia das vacinas e uma pressão ligeira a moderada no sistema de saúde. O terceiro cenário, considerado mais preocupante, prevê o surgimento de uma nova variante, mais transmissivel e aumento da gravidade da doença.

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias